Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Sentir um bloqueio no dia em que veio a Liberdade

por Miguel Marujo, em 17.11.14

 

Há quem comece a sua leitura do jornal pelo fim - vai à última página e regressa até ao princípio. Neste livro, Viver pela Liberdade, biografia de “grandes momentos da História pelos olhos de uma das mais marcantes jornalistas portuguesas”, também se pode fazer isso: ir às páginas finais, aquelas que recuperam as reportagens de Maria Antónia Palla, jornalista, 81 anos, que tantos anos depois (foram escritas entre 1970 e 1979), parecem coladas aos dias de hoje. Em agosto de 1974, as mulheres da Sogantal, uma fábrica têxtil no Montijo, lutavam por um salário digno e melhores condições de trabalho. Abril já ia no seu quarto mês de revolução, mas o patrão (era assim que se escrevia) francês dizia que pagava “sempre o que a lei portuguesa obrigava” e recusava-se a atender às reivindicações das mulheres. Não era só de direitos laborais que se falava nestas páginas escritas com rigor e elegância. Era dos direitos das mulheres.

Neste livro faltam as palavras da reportagem que fez de Maria Antónia Palla um nome maior do jornalismo português - sobre o aborto, que passou na RTP em horário nobre. Em fevereiro de 1976, a liberdade atrapalhava-se com uma reportagem militante: Aborto não É Um Crime. Em tempos de canal (quase) único, a reportagem valeu a suspensão do programa e o julgamento em junho de 1979. Saiu absolvida, em nome da liberdade de expressão.

É a Liberdade, assim com maiúscula, como se escreve nas 268 páginas deste livro escrito por Patrícia Reis, num registo que mistura a (auto)biografia e a reportagem. A Liberdade que sempre procurou e que a fez bloquear no seu dia maior: 25 de Abril de 1974. “Era a primeira vez que escrevia em Liberdade. ‘Sentia um bloqueio imenso’”, confessa. Essa liberdade construiu-a desde miúda, entre as margens do Tejo, na casa dos avós da Margem Sul, por oposição à ordem da casa dos avós maternos. Mesmo que não dissesse mais, percebe-se onde se sentia melhor, livre. Casou-se nova, de vermelho, mas “recusou ir pendurada no braço do pai”. Questionou-se sobre Deus - prevalecia a educação dos avós paternos, em cuja casa “não existiam imagens de santos”. Como não a satisfaziam os empregos que procurou, para garantir a sua liberdade (“se não tiveres o teu dinheiro, nunca serás livre”, dizia a avó), “sentia-se a viver num aquário”. Desde que não lhe tirassem o passaporte. Privou com a elite cultural de uma época (Júlio Pomar, Augusto Abelaira, António José Saraiva). Perdeu uma filha, a primeira, e acarinhou muito o segundo, António Costa. Foi uma das três primeiras mulheres a entrar numa redação portuguesa. “Talvez elas não saibam ainda exatamente o que querem. Mas sabem, seguramente, o que não desejam. O importante é que elas entendam porque se vencem e porque se perdem as batalhas”, rematava Maria Antónia sobre as operárias do Montijo.

[texto publicado na edição de sábado do Diário de Notícias]

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES