Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O voto, sff - réplica

por Miguel Marujo, em 01.08.03
Caros confrades de discórdia



Agradeço que tenham respondido à provocação que aqui deixei há dias, sobre o resgate do voto. Tentarei contrapor, sem exageros, mas se o teclado me puxar para a hiperbole, peço desde já desculpas.



Diz Zé Manuel que «por vontade do povo tínhamos estádios de futebol novos em vez de saneamento básico e água potável». Diz SirHaiva: «A falta de maturidade política de grande parte da população tenderia a re-eleger/demitir políticos com demasiada "à-vontade", conforme as políticas agradassem ou não».

Aqui está a minha primeira contestação. Serão os meus caros interluctores «parte do povo» e por isso devo entender que, por si, preferem estádios de futebol a água potável? Ou será que não são «parte do povo»? Então, coloco a questão, quem é o «povo»? São os taxistas, as engomadeiras, os que têm passe social, os sócios do benfica, os guardas-nocturnos? E nós, os blogueiros, a clique, a intelectualidade, a elite?



Isto de nos pormos a adivinhar o que o «povo pensa» ou o que o «povo quer» é de uma arrogância tremenda, que, sinceramente, me faz frio na espinha. porque o povo somos nós. Todos. É um dos três pilares fundamentais para a existência de uma soberania, de um país. Lamento se isto choca, mas o povo somos mesmo nós. Eu, tu e todos os outros que viste ontem, hoje e aqueles que verás amanhã.

Mas nem em tudo discordo. Volto à citação de Zé Manel: «A democracia é um processo em construção. Passa pelas relações laborais, com os chefes, com os colegas e com os subordinados. Passa pela atenção e pela reflexão do que se diz e faz. Passa pelo voto consciente. Passa pela relação com a pessoa amada.». De acordo. Mas a democracia é, acima de tudo, a participação. Ora, quando proponho que possamos reclamar o voto de volta é por uma razão complexa, que tentarei explicar, se conseguir:



1. A abstenção sobe em flecha. É um facto. Aqui e nos países ditos desenvolvidos.



2. Como bem diz SirHaiva, «Os agentes económicos, os investidores, não pactuam com este tipo de instabilidade governativa. Fogem disso a sete pés. E são estes investidores que, quer se queira quer não, são o motor das actuais organizações político/sociais». Ora, aqui está o busílis. Os Governos cometem um erro tremendo, que é apontado por politólogos, sociólogos e outros quejandos: em vez de se unirem à sociedade, estão à mercê do dinheiro (o eurostat, o pib, o défice, para não falar do FMI, dos bancos que emprestam dinheiro à RTP, ou de coisas ainda mais assustadoras, como a Maçonaria, etc).



Isto é um mau princípio, dado que o poder tem e deve estar no povo, não na banca, na finança, nas sociedades secretas. Porque esta é desigual, aquele não. Como dizia um amigo, se os votos em Portugal fossem como no Benfica, o PCP ganhava, porque os eleitores são idosos e teriam direito a 70 votos e nós a meia dúzia.



3. O exemplo italiano de democracia inconstante e governos em queda mal chegavam ao poder algum dia deu instabilidade económia à Itália que a fizesse sair dos G8? Desviar-se do Pacto de Estabilidade? Nem por isso. Será melhor ter um Berlusconni que legisla para se safar - mas é estável - a ter governos sucessivos mas que governem?



Não nego que à primeira contrariedade muitos iriam a correr pedir o voto de volta. Por isso a proposta vem com um número: 66 por cento, dois terços, o mesmo que, em termos representativos, serve para alterar a CRP.



Mas com o tempo, será natural que a estrutura entre nos eixos, e que a responsabilidade partilhada DE FACTO entre legislador e povo passe a um equilibro que não existe. É que a fiscalização passaria a ser vossa, minha, de todos nós. A propósito, têm ideia de quem é o vosso deputado? Quem de facto vos representa?



E mais: perante o programa eleitoral, as promessas eleitorais, existe algum órgão que fiscalize o seu cumprimento? A resposta é «não».



Proponho uma vista de olhos ao que Dutra fez em Rio Grande do Sul. Não foi populista, criou orçamentos participativos, mexeu com a sociedade, enfrentou o capital e conseguiu desenvolver aquele Estado. E, com toda a naturalidade, foi derrotado nas últimas eleições, embora sirva de exemplo a muitos pensadores da geração «no logo». Saiu e aceitou.



O povo será assim tão imberbe ou, como dizia o FMI (cito de memória, que é fraca): «A ti não é qualquer Fernão Mendes Pinto de merda que te enfia a carapuça. (...)Tú és Sepúlveda, Tu és Adamastor, né, filho?»

Autoria e outros dados (tags, etc)





Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES