Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Janeiro 17, 2006

O voto e a portugalidade

Miguel Marujo

Andei aqui umas semanas agastado, com a angústia de saber em quem votarei no próximo domingo, caso deus nosso senhor me dê saúde para lá chegar.

Cavaco nunca, decidi. Não gosto do homem, da atitude, do cepo.
Soares custava-me. Andei ali nas luzes da cidade a ver se o homem ainda dizia alguma coisa de nova, mas nada. Sai-lhe o discurso que, mascarado de optimismo, é pessimista e de fim-de-mundo. Ou ele ou o caos. Também não quero. Chega de medo mascarado.

Depois Alegre. Que grande bico de obra. Entusiasmei-me com a coragem do homem. A poesia trovadoresca que escreve é bonita, a prosa tem sensibilidade. Avançar contra o Sócrates e os lacaios do costume parecia-me bem. Mas ao longo da campanha, foi-me desiludindo. Que raios, será que a alma de poeta é tão tímida que o “a mim ninguém me cala” só funciona quando o querem calar?

Jerónimo. Doce Jerónimo. Quando está à solta, parece um D. Sebastião do novo comunismo. Mas quando se cansa ou está em conferência de imprensa, lá vem o chavelho do discurso redondo. Corta. Não quero.

Louçã. Dedidi rapidamente. Um homem que autoriza que o seu site na net se chame franciscopresidente é um egocêntrico. Depois, lá emendaram a mão e puseram um simples fl2006. Mesmo assim, não me trouxe maior novidade. Longe vão os tempos do PSR. Este é o tempo do RSFF dirigido ao PS.

E Garcia Pereira. Até tinha graça, mas o cachecol vermelho como cedência ao marketing e as ideias peregrinas – como esta de haver três supremos tribunais no País -, estão a dar cabo da inocência do senhor.

Abstenção, nunca. Nulo ou branco, não me convencem.
Alegre, pá, és o mal menor. Levas daqui um voto. Não convencido. Mas cheio de esperança. Não desiludas. Ou então, recita o Nambuangogo. Sempre é melhor.

1 comentário

Comentar post