Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Agosto 19, 2003

A insustentável ironia do destino

Miguel Marujo

Se o destino tem razão de ser, então a saída deste silêncio faz parte desse desígnio inultrapassável!



Morreu Sérgio Vieira de Mello.

Aquele que foi o rosto das mais recentes e significativas operações humanitárias da ONU, contando no seu curriculum com a Administração do Kosovo, de Timor Lorosae e, dramaticamente, representante do Secretário Geral das Nações Unidas no Iraque, não escapou à lógica - ou à falta dela - incompreensível dos despojos da guerra!



Morreu Sérgio Vieira de Mello.

O homem da paz em Timor, após ter aceite mais um desafio exigente, voltando a estar no centro da geopolítica internacional, acabou por perecer debaixo dos indesculpáveis escombros dos atentados!



Morreu Sérgio Vieira de Mello.

Quem virá, agora, ganhar mais legitimidade? A administração Bush e Blair, reafirmando a necessidade de uma intervenção no Médio Oriente e legitimando a invasão do Iraque? Ou virá a dar razão às vozes que se opuseram, intransigentemente, contra a II Guerra do Golfo?



Esta discussão é importante, mas já não fará renascer das cinzas o homem que era Sérgio Vieira de Mello!



publicado em asceta.blogspot.com

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.