Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Agosto 16, 2012

Da berma da estrada à mina

Miguel Marujo

Em 2005, regressávamos do Kruger National Park, próximo da fronteira da África do Sul com Moçambique (Ressano Garcia), quando fomos parados numa operação stop, por "agentes de trânsito" que não eram polícias. Por um alegado incumprimento da documentação do motorista moçambicano que nos transportava tentaram multar-nos. Recusámos fazê-lo ali, exigimos ir à esquadra mais próxima de Komatipoort, onde pedimos para falar com o chefe da esquadra - quem nos apareceu, no meio de uma pequena multidão de agentes negros, foi um holandês nos olhos e no cabelo, africânder sem tirar nem pôr. O "agente de trânsito" começou a explicar-lhe o que se passava em africânder, exigimos que o fizesse em inglês. Acabámos por pagar a multa, com a sensação de que o chefe o fazia para não desmascarar o seu agente, mas o episódio impressionou-me mais por a estrutura de comando manter ainda traços de um apartheid antigo: o chefe era o africânder.

 

Longe de tudo isto, muito longe, a polícia sul-africana fuzilou hoje mineiros. Fuzilou, é o termo - vê-se nas imagens (e não ignoro que havia homens armados entre os mineiros). E vê-se também na linha da frente dos disparos muitos brancos (sim, também há polícias negros), mas a estrutura de comando parece-me ser sobretudo africânder. Anos depois, o país do arco-íris mantém verdadeiras estruturas de um apartheid social e policial. O legado de Mandela vai morrendo. O sonho deste homem é cada mais vez mais o sonho de um homem só.

 

Agosto 16, 2012

Contragosto

Miguel Marujo

Fica-se a trabalhar, a cidade mais vazia, apesar do tempo tropeçar para completar o trabalho forçado dos que se ausentaram, e tenta-se a notícia. E a notícia esbarra naqueles que supostamente são facilitadores do contacto dos jornalistas com os ministros, governantes e outros que tais deste país. Ganham bem mas trabalham mal. Não é má vontade minha por estar a trabalhar em agosto, é prática comum ao inverno e outono, primavera e verão.