Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Outubro 06, 2011

Tomas Tranströmer, Nobel da Literatura

Miguel Marujo

HISTÓRIAS DE MARINHEIROS (1954)

 

Há dias de inverno sem neve em que o mar é parente
de zonas montanhosas, encolhido sob plumagem cinza,
azul só por um minuto, longas horas com ondas quais pálidos
linces, buscando em vão sustento nas pedras de à beira-mar.


Em dias como estes saem do mar restos de naufrágios em busca
de seus proprietários, sentados no bulício da cidade, e afogadas
tripulações vêm a terra, mais ténues que fumo de cachimbo.


(No Norte andam os verdadeiros linces, com garras afiadas
e olhos sonhadores. No Norte, onde o dia
vive numa mina, de dia e de noite.


Ali, onde o único sobrevivente pode estar
junto ao forno da Aurora Boreal escutando
a música dos mortos de frio).

 

[tradução de João Luís Barreto Guimarães, daqui; eis um poeta e uma poesia que me são desconhecidos; em portugal, não há livros traduzidos, e estaremos a perder algumas coisas muito boas, a avaliar pelo que dizem bons amigos.]

Outubro 05, 2011

A República, sempre. Sem actores menores

Miguel Marujo

Cavaco Silva: "Acabaram as ilusões e não bastam sacrifícios". O homem que vendeu a maior ilusão de todas, a do dinheiro fácil da CEE, e que nunca cuidou da tornar este País em algo diferente, a não ser no betão, vem agora vender-nos o de sempre: banha da cobra. Como se nota no remate da frase em que meses depois de ter dito que já chegava de sacrifícios repisa a sua necessidade. A República merecia melhor sorte.

Outubro 04, 2011

Helena de Tróia (not)

Miguel Marujo


«O jornal italiano Il Messaggero escreveu que ela é "uma estranha mas fascinante mistura de femme fatale e inocente de rosto angélico". Estranha mas fascinante. [...] A presumível homicida faz a lista dos seus amantes, confessa saudades várias, conta conversas com o capelão, jura que era amiga da assassinada, descreve a rotina prisional, pede desculpas, garante que está inocente, confi a na absolvição, queixa-se dos media que construíram uma "imagem negativa" dela e que se armam em "juízes implacáveis e hipócritas" (até a sisuda Bompiani já publicou um livro chamado Amanda e gli altri). E no entanto ela vive altivamente dessa sua imagem: "As pessoas comportam-se como se eu fosse a mulher mais bonita desde Helena de Tróia." Não é uma Helena de Tróia, mas as fotos do julgamento são fantásticas. Enquanto os seus defensores divulgam fotografias de uma all-american girl liceal e pacata, as imagens de tribunal transmitem confiança e exibem sedução. Amanda disse que o seu à-vontade a tem prejudicado. Na verdade, o seu à-vontade cativa.» [Pedro Mexia]

Outubro 02, 2011

Tumultos na cabeça

Miguel Marujo

É o habitual: «Polícia e SIS já têm elementos no terreno para antecipar as acções de grupos organizados que podem criar grande agitação social.» Esta gente bate numa tecla para assustar, como se os portugueses não separassem as águas certas. Lembram-se da manif de 12 de Março, da Geração à Rasca? Ou da cimeira da NATO? E dos blindados que custaram milhões e não vieram?! Pois é, as polícias andaram supostamente a antecipar o que nunca houve nem passou pela cabeça de ninguém, a não ser de um lunático como José Manuel Anes*, que é o maior nabo como analista na matéria, ou outros chefinhos que gostam muito de brincar aos polícias e agitadores. Haja pachorra.
[* - a propósito: basta ler o site onanista do senhor para se perceber as coisas que diz:

«“O medo maior é que possa haver mortes". José Manuel Anes, Pres. do Obs. Segurança, Criminalidade e Terrorismo (OSCOT), fala sobre policiamento da cimeira da NATO. 5 de Novembro

Cimeira NATO: grupos violentos já estarão em Portugal. Anarquistas do «Black Bloc» são um dos motivos de maior preocupação para as autoridades em Lisboa. 4 de Novembro de 2010»]

Pág. 3/3