Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Dezembro 31, 2010

...

Miguel Marujo

Receita de ano novo

Carlos Drummond de Andrade


Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)


Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumidas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver. 

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

 

[de um mail de Teresa P.]

Dezembro 30, 2010

Diz-se

Miguel Marujo

Alegre saiu triste do debate. É um facto. Calou-se e calou o que não devia. Mas quem sai triste é o país, com Cavaco de novo por lá. Mas é bom que ele fique: para Portugal ver quem é também responsável pelo estado a que isto chegou. O país alimentado no crédito e nos fundos perdidos que hoje se perde no défice e no desemprego. Também por isto, é obsceno ouvir de Cavaco dizer-se preocupado com o desemprego ou defensor do estado social.

Dezembro 27, 2010

Uma edição especial

Miguel Marujo

«Gonçalo M. Tavares, um dos mais premiados escritores portugueses da actualidade, assumirá a direcção do Diário de Notícias e terá consigo uma equipa de oito editores, também eles figuras destacadas nas diferentes áreas em que se organiza o jornal.

A fadista Carminho terá a seu cargo a editoria de Artes, o triatleta João Silva o Desporto, a bióloga Sofia Reboleira a Sociedade e Ciência, a empresária Filipa Guimarães vai gerir a editoria de Bolsa, a comissária Paula Monteiro terá a seu cargo a área de Segurança, Eduardo Melo (presidente da Associação Académica de Coimbra) ficará com a Política, a apresentadora Sílvia Alberto com os Media e o investigador Ricardo Vicente com o Globo.»

 

Quarta-feira nas bancas, amanhã aqui - em ebulição... e edição.

Pág. 1/4