Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


24, ponto final.

por Miguel Marujo, em 02.07.10

sensacionalismo

s. m.

1. Carácter ou qualidade de sensacional.

2. Divulgação de notícias exageradas ou que causem sensação.

3. Filos. Doutrina ou teoria em que todas as ideias são derivadas unicamente da sensação ou das percepções dos sentidos.

sensacionalista

adj. 2 gén.

adj. 2 gén.

1. Em que há sensacionalismo ou escândalo; espectacular.

2. Relativo à doutrina do sensacionalismo.

s. 2 gén.

3. Pessoa que visa causar sensação.

4. Adepto da doutrina do sensacionalismo.

 

Trago aqui estas definições, propositadamente. Esta semana fechou o 24horas, jornal onde trabalhei 1142 dias - desde Maio de 2007 (depois de 9 meses no desemprego). Muitos que aqui passam sabiam-no, nunca o escondi. Nos dias em que a notícia saiu noutros locais, blogosfera incluída, foi penoso ler os comentários, não porque me afectassem pessoalmente - tenho 1142 dias de consciência tranquila -, mas por revelarem uma ignorância enorme sobre o conteúdo e o trabalho do jornal.

 

Tomada a capa, de um jornal assumidamente popular, pelo todo, muitas pessoas que nunca terão lido uma linha do jornal, que nunca gastaram um euro que fosse, apelidaram-no de pasquim, and so on, e desqualificavam o trabalho dos seus jornalistas. Li, em comentários desbragados na edição online do Público, muitas aspas quando se referiam aos profissionais do 24. Não vou aqui procurar desmontar algum argumentário sobre a linha editorial dos diferentes jornais, mas trouxe duas definições do Priberam, que remetem (apesar de algum simplismo) para aquilo que o tablóide costuma ser, cá ou nos EUA ou no Reino Unido (sublinhe-se: é no mundo dito mui civilizado anglo-saxónico que nasce este jornalismo): que causem sensação, em que há escândalo... Nada disto me parece falso ou desonesto, premissas que li nos comentários cibernéticos.

 

Há um ano, acompanhei para o Diário de Notícias e 24horas a campanha das eleições europeias: não havia na minha escrita distinções relevantes de um e outro jornal, eventualmente o gancho da notícia, a história curiosa ou mais folclórica interessava mais ao 24 que ao DN, mas não senti que a referência de um fosse reverência para mim vindo de um pasquim: o tratamento da notícia era isento, sério, factual. Tudo o que se pedia  (pede) a um jornal, qualquer que seja.

 

Ao longo dos últimos anos, a intromissão de um determinado tipo de informação sobre as namoradas de Ronaldo, os desamores da Angelina e Brad ou as namoradas do agora muito católico-adepto-do-casamento Santana Lopes foram ganhando espaço noticioso. A culpa não é apenas de jornais como o 24, ou revistas ditas cor-de-rosa. A culpa é de leitores (muitos) que procuram esta informação, que a comentam avidamente (a blogosfera por onde se criticou o 24 é useira em alimentar-se também dessa mesma informação).

 

Neste campo, a hipocrisia de algum dito jornalismo de referência é desmascarada continuamente: foi o Expresso que noticiou em primeira página o namoro do primeiro-ministro com uma jornalista; o Público tem uma página de fofocas e rumores (como o 24 tinha) de actores, actrizes e gente do espectáculo - chama-se "P(essoas)", mas para não-parecer-muito-24 raramente dá notícias sobre portugueses e limita a coscuvilhice ao estrangeiro (coisa fina) ou a citar de vez em quando o... 24; o Público fez capa da revista com o casamento da princesa sueca...

 

A outra hipocrisia é atribuir ao 24 - e a este tipo de jornalismo - a mentira, a falsidade: em tempos uma jornalista do Público desdenhava da possível tentativa de o 24 melhorar o seu jornalismo, como prometia à conta de uma remodelação o seu então director. Escuso de lembrar a vergonha da manchete do Público, sobre as escutas (que nunca existiram) ao Palácio de Belém. O diário nunca pediu desculpa ao leitor por lhe ter mentido descaradamente. O 24horas também cometeu erros, fez asneiras, falhou o alvo ou foi desmentido, mas - ao contrário de muitos outros - fazia questão de publicar os mesmos com o destaque que a lei e a consciência mandavam.

 

A última capa foi recebida (até por pessoas que estimo) como sendo sensacionalista. Popular, prefiro classificar. Mas o problema que levou ao fecho do 24 (para lá de uma suicida ausência da internet, que até podia ter contribuído para acabar com o mito que fez caminho agora com o seu encerramento) foi ter eventualmente deixado de fazer aquilo que essa mesma capa anuncia: morder as canelas de trafulhas, políticos, famosos, actores, jornalistas, o que for. Porque o jornalismo tablóide quando vigia o poder presta um serviço público inestimável: foi o 24horas que publicou o vergonhoso Envelope 9, do processo Casa Pia. Só isto merecia respeito por um pasquim.

 

 

(Declaração de interesses: sou agora jornalista do Diário de Notícias; mas não esqueço os camaradas que não foram integrados pelo grupo e vivem desde o dia 29 no desemprego.)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 3/3





Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES