Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Janeiro 12, 2010

O argumento seguro

Miguel Marujo

A direita detestou o casamento gay (salvo honrosas excepções): os conservadores porque se acham conservados na verdade única, os liberais porque só são liberais nos despedimentos e no salário mínimo. Agora, O Diabo - jornal seminacionalizado, por obra e graça dos cubanos que financiam o Governo da Madeira que paga publicidade ao jornal que morreu há anos - veio supostamente cavalgar a onda da indignação: "Governo ganha milhões com casamentos homossexuais - Basta que um quarto dos 'gays' decida casar-se para o Estado embolsar milhões em certidões, emolumentos e impostos. Fisco já esfrega as mãos". Afinal, o casamento era uma prioridade no combate à crise. Obrigado ao Diabo por nos ter revelado esta maravilha.

Janeiro 12, 2010

O preço certo

Miguel Marujo

 

É difícil de encontrar a revista Songlines, por cá. O pior é a mania de tabacarias e livrarias (que vendem revistas estrangeiras) em estragarem as capas com o autocolantezinho do preço (que não é barato), para depois lerem os códigos de barra. Mais ainda, quando na Bulhosa de Campo de Ourique é preciso lembrar ao vendedor que a revista traz um CD e (neste caso) ainda vem um "second free", mas o rapaz desconfia. Não admira: o papelinho do preço tapava (deliberadamente?) o aviso da capa que dizia "2 free CDs".

Janeiro 11, 2010

Os extremos adoram-se

Miguel Marujo

É ver os comentários. Na homossexualidade há mais propensão para a pederastia, não se sabe bem porquê, mas é natural. Os da ETA são uns anjinhos que morrem às mãos do Estado espanhol e, se se pergunta pelos mortos em atentados, logo estamos a desconversar. Sempre a aprender, de como os extremos se adoram - na irracionalidade e no absurdo.

Janeiro 09, 2010

Cortar onde é preciso: as pessoas descartáveis

Miguel Marujo

«Apesar de no ano passado ter passado por um processo de despedimento colectivo de trabalhadores [...]. Os jornais gratuitos, por viverem apenas das receitas publicitárias, tiveram dificuldades acrescidas, sublinhou [o director], acrescentando que o Metro estava preparado para reagir. "Reagimos bem: cortámos onde foi preciso, investimos em outras áreas", disse.» [da Lusa, sublinhados nossos]

Janeiro 09, 2010

O mordomo dos Açores

Miguel Marujo

«O autocarro que transportava a selecção do Togo foi hoje metralhado em Cabinda, um dos "palcos" da Taça das Nações Africanas de Angola 2010, tendo morrido o condutor e feridos seis pessoas, entre as quais dois futebolistas.» [da Lusa]

 

Era interessante saber o que acha José Manuel Barroso da acção deste movimento, anos depois de como líder da oposição os ter acolitado como arma de arremesso contra o Governo de Guterres. Para quem serviu tão diligentemente a mesa contra os terrorismos...