Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Janeiro 24, 2010

Números

Miguel Marujo

Ontem nasceu a Maria, no meu dia de anos a Alice, uns dias antes o Guilherme. E nos próximos meses haverá mais algumas crianças em espera. À minha volta, amigos dão cabo das estatísticas do INE que dizem que nunca se tinha nascido tão pouco nos últimos 12 meses. Se fosse o CDS já andava a praguejar contra as sondagens. É sinal de que o orçamento devia ser feito à esquerda.

Janeiro 19, 2010

Velório

Miguel Marujo

 

«No seu curto discurso, Cavaco Silva sentiu necessidade de justificar a tardia condecoração a Santa Lopes, lembrando que estava a “cumprir o dever e a tradição de condecorar” pessoas que desempenharam funções de relevo na vida política portuguesa. [...] O antigo primeiro-ministro, que foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo, foi igualmente parco em palavras e dedicou a “alta distinção” àqueles que consigo partilharam o poder e realçou que a sua equipa procurou “cumprir com lealdade as funções”.» (foto André Kosters/Lusa)

Janeiro 18, 2010

Famílias

Miguel Marujo

«Por que razão se há-de impor dogmaticamente que o casamento se estabelece entre duas pessoas?! Por que não entre três?», pergunta no Público um tal de Gonçalo Portocarrero de Almada, que responde por ser "licenciado em Direito e doutorado em Filosofia" e "vice-presidente da Conferederação Nacional das Associações de Família".

 

A minha dúvida instala-se quando olho para a foto: usa cabeção. O senhor será portanto padre. Mas esconde no seu currículo a sua "profissão". E diz-se membro de uma associação de famílias, um senhor que jurou castidade e que de família não saberá o que é, a não ser aquela em que ele já nasceu. Não casou, não se juntou a ninguém, não constituiu família, não teve filhos, fez uma opção - que não está em causa. Mas, por isso, pergunto: que lhe interessa a ele o casamento gay? Nada.

 

(Recuso-me comentar as aberrações em que o senhor teoriza sobre a possibilidade de casamento com animais. O vómito e o asco têm limites.)

Janeiro 17, 2010

38.

Miguel Marujo

O 38 não terá nada de especial.
Ainda não são 40, já passaram há muito os 30, e de número redondo não reza muito a história.
Talvez a wikipédia ajude a dar-lhe alguma dignidade, ao apresentá-lo como o número atómico do estrôncio (e não estou a insultar o Pacheco Pereira). Se quiser dar-lhe mais enlevo sempre digo que é número mitológico para os nórdicos, onde representa a bravura natural dos heróis lendários das sagas escandinavas, que se dividem em 38 capítulos, com os heróis a lutarem contra gigantes ou outros animais em grupos de 38.

O que a wikipédia não conta é que há 38 anos, festeja-se hoje, um rapaz (e uma rapariga) nascia(m) numa noite (como diriam hoje os jornalistas) fria de Inverno. Percebe-se que a wikipédia se esqueça do evento: afinal, este 38 terá muito mais significado pela menina que vai entrar no ano, mas até lá vamos nós festejar a preceito.