Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Março 30, 2009

Muy enchufado

Miguel Marujo

«El portugués ha puesto en muchos apuros a Rafa, que nunca se encontró del todo cómodo en el partido. El encuentro comenzó con un 'Ace' de Frederico Gil, que comenzó muy enchufado y nunca se marchó del encuentro. Pero, finalmente la lógica se impuso y el número uno del mundo se alzó con la victoria.» [El Mundo]

Março 30, 2009

JN6, da teoria da relatividade

Miguel Marujo

Regresso a sexta-feira. Fiquei agarrado por motivos profissionais à TVI, no JN6 (para usar uma fórmula matemática do excelso crítico Eduardo Cintra Torres, que assim identifica o melhor produto jornalístico que se faz em Portugal - se não é isto que diz, anda perto do que o senhor tem escrevinhado no Público).

Escrita a prosa, continuei a ver aquilo tudo pela primeira vez ao vivo e a cores. Não sei o que me divertiu mais, mas pasmei com o momento alucinante entre Manuela Moura Guedes e Vasco Valente Correia Guedes (vulgo: Vasco Pulido Valente): a senhora tenta explicar os dois temas da semana, como se fossem coisas a que a taberna deu excessiva importância: o provedor e o árbitro. Sobre o primeiro, depois das banalidades do costume (o sr. VPV ganha quanto pela conversa de café? posso fazer melhor serviço, e mais bem preparado, ó srs. da Prisa!), VPV remata sentencioso, naquela voz inconfundível: pelo menos, isto do provedor teve uma coisa boa, os portugueses ficaram a saber que existe um provedor, porque ninguém sabia, blá-blá-blá. E os dois riem-se.

Santa ignorância: basta um exemplo, ao calhas, para ver como há portugueses que conhecem o provedor, se calhar mais do que aqueles que percebem VPV. A EDP em tempos tentou enganar-me. A mim, e a mais de 4000 consumidores, vim a saber depois. Muitos queixaram-se ao provedor, que deu razão aos clientes obrigados da EDP. O trabalhinho de casa, ou pelo menos, uma atenção ao mundo que não seja só o umbigo de MMG e VPV, e os dois não se ririam daquelas inanidades. Para a semana há mais, deste exemplo de rigor jornalístico, como diria ECT, em JN6.

Pág. 1/9