Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Abril 14, 2007

A idade da inocência

Miguel Marujo

«É difícil de compreender que sem qualquer sinal de aberta violência ou constrangimento forçado, - não tinham a espada da Al-Qaida e uma expectativa de uma morte quase certa sobre a sua cabeça - os marinheiros se prestassem tão depressa, tão bem e tão à vontade a servir a propaganda de guerra iraniana».

Os teóricos defensores da guerra sentados no sofá, como Pacheco Pereira, insistem, não percebem, fingem que só eles colocam as perguntas difíceis. E não lhes passa pela cabeça que a guerra, esta guerra absurda, ceifa jovens, muito jovens, como a idade dos soldados ingleses prova. Do sofá, é fácil duvidar, «difícil compreender», num teatro de guerra, eles também se prestariam a este jogo.

[Idades dos soldados]
Leading Seaman Faye Turney, 26
Marine Adam Sperry, 22
Operator Mechanic Nathan Summers (s/d)
Royal Marine Capt Chris Air, 25
Lieutenant Felix Carman, 26
Operator maintainer Arthur Batchelor, 20
Royal Marine Mark Banks, 24
Royal Marine Joe Tindell, 21
Royal Marine Danny Masterton, 26
Royal Marine Paul Barton (s/d)
Leading Seaman Christopher Coe, 31
Operator Maintainer Simon Massey (s/d)
Operator Maintainer Andrew Henderson, 24
Corporal Dean Harris, 24
CPO Gavin Cavendish (s/d)

[s/d=sem dados, num perfil da BBC]

Abril 12, 2007

Dia bom, assim!

Miguel Marujo

A Rita que aí vem, o dia em que a Raquel e o Rui nos anunciam uma história que se tornará também ela única, os quatro anos dessa outra nossa história. Tudo somado e fechado com jantar-coragem (com os cumprimentos Bimby). O Benfica estragou a pintura de um 12 do 4 assim.

Abril 12, 2007

12 do 4, quatro anos depois«Las estrellas venimos del cielo»

Miguel Marujo

Há dias em que nos apetece surpreender, lendo o que se escreveu, neste mesmo dia, há dois anos: «Conto de fadas. Há [quatro] anos chovia de manhã. Muito, daquela em que o céu parece desabar. Muito, sem cuidar de amainar. Levantei-me cedo, para um sábado. Comprei o jornal, mas a notícia do dia não estava lá. Fui à Baixa, para enganar o tempo - e as horas. À tarde, já não chovia. Mas permanecia o vento. Nas ruas havia quem protestasse contra a guerra do Iraque. Nós deixávamos as bandeiras que gritavam em italiano Pace, para lembrar essa luta. Era fim-de-semana de Ramos e as palmas alinhavam-se pela nave central da igreja. E ela estava linda - quando entrou. De azul. Como num conto de fadas. Quem disse que só os príncipes e princesas têm desses contos?» [À M., no dia em que a nossa história ficou única.]

Abril 12, 2007

Embirrações

Miguel Marujo

O país dos que dormem esta noite sob mantas nas arcadas do Centro Comercial Portugália, na Almirante Reis, está muito longe de jornais e blogues obstinados com a licenciatura do primeiro-ministro. Mas deve ser embirração de um desempregado, que só viu este tema discutido ao fim de muitos certificados e equivalências, e sem ir ao âmago da questão. Como sempre, ficaram-se por números e promessas, não questionando o regime de desemprego.

Abril 12, 2007

Anotações

Miguel Marujo

Ao ver a entrevista de Sócrates sobre a sua licenciatura na RTP fiquei a saber pela voz dos jornalistas que as universidades em Agosto fecham e que os estudantes universitários vão a todas as aulas. Em que faculdade andaram eles?