Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Outubro 23, 2006

Buda e peste

Miguel Marujo


É uma cidade fantástica, de edifícios únicos e imponentes, rasgada pelo Danúbio. As barcas passam, as bicicletas e os eléctricos serpenteiam a margem, as colinas de Buda guardam as feridas, a planura de Peste esconde as revoltas. Há 50 anos, mais uma vez a História escreveu-se de sangue. Hoje, nas ruas a violência cresce com um primeiro-ministro que mentiu (e por isso devia ter pedido a demissão). Mas a extraordinária ironia é ver o aplauso destas manifestações por quem sempre desdenhou das manifestações contra a guerra e quem chame «mentiroso socialista» quando aplaudiu e aplaude as mentiras de Bush e Blair que nos conduziram a uma guerra. Sim, falo de Pacheco Pereira, que devia ter algum pudor. [«Ele sabe que eu sei que ele sabe que é assim.»]


[foto de uma igreja bombardeada na Segunda Guerra Mundial, em Buda, de que restou parte de uma torre e esta janela - Abril de 2006, por MM]

Outubro 22, 2006

une gravité qui m'attire

Miguel Marujo





«Les femmes de trente ans me touchent. Elles sont en partie adultes, en partie encore enfants. Il y a chez ces filles une gravité qui m'attire.
Comme si elles avaient un peu peur d'être tout à fait des adultes.
A quel âge devient-on adulte? c'est quoi être grand ?
Ces questions je me les posent pour moi, et c'est à travers ces filles que je cherche une réponse.

Je les photographie chez elles, en essayant de garder très peu de décor,
je les photographie en lumière naturelle pour garder présent la fragilité de ces moments.
je les photographie comme je pourrais les toucher, du bout du doigt : le temps de pose est lent, la netteté ponctuelle,
j'essaye de photographier lorsque l'image s'en va.
l'attention, la concentration montent pour arriver à un moment photographiable, et moi j'attends que ce moment soit en train de partir pour le photographier
J'essaye.
Ces photographies sont une tentative, vaine et maladroite.»

[texto e fotos: Olivier Roller, nascido em 1971 (nas fotos, Anne, Michelle, Kea e Sophie)]

Outubro 20, 2006

14,30 euros

Miguel Marujo

De Alverca a Aveiro Sul, sob chuva intensa, sem dar tréguas, com obras durante vários quilómetros e uma auto-estrada reduzida a uma via para cada lado, os carros a cruzarem-se, ainda mais perigoso que a velhinha EN1, e ninguém parece querer saber. No fim, a via verde cobra tudo na mesma como se nada fosse e a Brisa continua a lucrar com a sua galinha de ovos de ouro. Não há uma lei para diminuir portagens nestes casos? Onde pára?

Outubro 19, 2006

A vidinha

Miguel Marujo

Estes dias são dias cinzentos: um Orçamento mais de sacrifício para os mesmos, as scut que já não o serão, a electricidade que continua a encarecer cada vez mais, sem contrapartidas de qualidade, um governo que se multiplica em disparos acidentais, sem razoabilidade nas afirmações. Mas da espuma destes dias, o que parece ser o tema principal é o aborto. Para isso também continuam a contribuir os senhores bispos, que fazem desta questão caso de acesa luta, esquecendo a vidinha de todos os dias. Nas questões sociais, o silêncio dos bispos é grande e o combate anunciado nulo.

Outubro 19, 2006

[um convite]

Miguel Marujo

Fundação John Templeton
Conferência das Igrejas Europeias(CEC)
Conselho Português de Igrejas Cristãs(COPIC)

Têm o prazer de convidar V. Exa. para a conferência do Prémio John Templeton para o Jornalista Europeu de Assuntos Religiosos do ano 2005
RELIGIÃO E MEDIA - EQUÍVOCOS E POSSIBILIDADES
Conferência de ANTÓNIO MARUJO,
e comentário de ADELINO GOMES (jornalistas do "Público")
Segunda-feira, 23 de Outubro, 18h30, Lisboa,
Grémio Literário, R. Ivens, 37 (Metro Chiado)

Outubro 19, 2006

Sol ofuscado

Miguel Marujo

«Estudo indica que 63% dos leitores preferem o Expresso ao Sol. De acordo com um estudo realizado durante três semanas pela Marktest junto de leitores do Expresso e do Sol, o semanário da Impresa Jornais obteve um grau de preferência de 63% na intenção futura de compra, no caso de terem de optar apenas por um destes jornais. Segundo o mesmo estudo, a preferência pelo Sol gerou 20% de respostas positivas, sobrando 17% de indecisos.» [in Meios e Publicidade]

Outubro 18, 2006

Rivoliçãozinha

Miguel Marujo

Não percebo o Norte, essa entidade mítica (ab)usada por portuenses para exigirem ao centralismo lisboeta o que quer que seja. Na Madeira, a chantagem é mais eficaz, mas esse Norte-que-afinal-se-resume-ao-Porto é mais rico, será mais rico que a ilha de jardins. Por isso, também esse argumento ajuda menos à pura pedinchice. E casos como os que volta e meia acontecem mais razão dão a quem desconfia de quem grita muito carago! e pouco faz. Vejamos: desde que Abrunhosa se acorrentou às portas do Coliseu, a política cultural do Porto foi definhando (falo do que ouço a amigos e do que respigo nos jornais, é pouco dir-me-ão...). O empresariado nortenho tão solícito em desancar no centralismo e no Estado e sempre muito elogiado pelo seu empreendedorismo, nunca se chegou à frente em quase nada (a excepção talvez seja Serralves) no mecenato a sério de artes e cultura no Porto. Por isso, o Porto vê fugir equipamentos e gentes sem dor, nem ranger de dentes. Querem o melhor retrato deste Porto? Vem hoje no Público, e não é a notícia do Rivoli. É a vinda de mais uma galeria de arte para Lisboa, com as queixas de sempre. Eles ficam cada vez mais mortos no deserto, com o Porto assim.

[Mais sobre o Rivoli: Jorge Marmelo, Eduardo Pitta e o blogue No Rivoli.]