Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Setembro 14, 2006

Sem consenso

Miguel Marujo

Parece que o inquilino de Belém quer mais um pacto, agora na Segurança Social, depois da Justiça. Desculpem lá: eu percebo a necessidade de entendimentos em matérias importantes, mas não me lembro de ter posto a cruzinha nas propostas do inquilino de Belém (muito vazias de conteúdo) nem dos inquilinos da São Caetano à Lapa (que pouco dizem sobre a segurança social). Por isso, apetece pedir aos inquilinos do Rato que apliquem o seu programa (menos mal, e sufragado com maioria absoluta) e se lembrem no que deram os consensos guterristas com o comentador dos domingos. Ah!, e se querem consensos: discutam-nos no Parlamento, já agora.

Setembro 12, 2006

Regresso (a 11/9)

Miguel Marujo

O silêncio falou no dia certo. Há palavras a mais nestes dias. E fico atordoado com a quantidade de coisas que se dizem, ainda, sobre o 11/9. Uma delas é a de que a América ganhou. Não houve mais nenhum atentado em território americano. Pois: Londres, Madrid, Bali ou Istambul ficam no quintal das traseiras.

Setembro 12, 2006

Regresso (II)

Miguel Marujo

A Carris já tem a Rede7 a funcionar. Apanhado fora, na troca de carreiras, experimento carregar o 7 Colinas com cinco viagens. Agora, não dá, diz-me a senhora do quiosque. Só duas ou quatro viagens, esclarece-me. Pergunto porquê. Isto, as máquinas, as mudanças, uma confusão, acrescenta. Detalhes, claro.

Setembro 12, 2006

Regresso

Miguel Marujo

Por uns dias, voltamos à cidade. No autocarro, ninguém se digna a olhar para o número do seu lugar para se sentar. E no meio do filme, dois intervalos para publicidade. Os pormenores mostram muito de um país.

Setembro 08, 2006

Sinais

Miguel Marujo

Um mau exame e uma notícia com possibilidade de futuro. Há dias assim. A actualidade fica suspensa. Este blogue ruma a Sul.

Setembro 07, 2006

Agendas

Miguel Marujo

Não deixa de ser curioso como Pacheco Pereira tem ignorado a microcausa (chamemos-lhe assim) da blogosfera pela libertação dos sequestrados das FARC e de repúdio pela presença de um stand deste grupo na Festa do Avante! Esquecimento, omissão, inveja, agenda própria? São insondáveis os caminhos de Marte. [post de 6/9, às 22h59]

[adenda, às 00h00: entretanto, vindo de Marte, o deputado comunista Jorge Moreira, cara desconhecida, avançava há pouco na SIC Notícias o seu lamento pela alegada falta de esclarecimentos do Governo sobre os voos da CIA para Guantánamo. Fraca coerência moral.]

[segunda adenda, hora do post actualizada: a imprensa faz-se eco hoje desta causa. O PCP diz que não convidou as FARC, mas sim uma revista das... FARC. Ver no Kontratempos as notícias e desenvolvimentos desta polémica.]

Setembro 05, 2006

Frase feita: a esquerda manda na comunicação social(working in progress)

Miguel Marujo

O Independente acabou. Logo se ouviram os fantasmas aqui d'el rei, que a esquerda domina a comunicação social. Um olhar não exaustivo diz o contrário. Comecemos pelos diários, económicos e gratuitos.

Jornal de Notícias: não tem uma linha editorial ideologicamente marcada; jornal popular, que por isso assumirá posições de escrutínio do poder, sobretudo à esquerda.

Correio da Manhã: na mesma linha popular do JN, é conservador politicamente (acrescente-se ao escrutínio, a clara oposição ao PS de Ferro Rodrigues, num caso extra-política como o da Casa Pia).

Público: surgiu como jornal de centro-esquerda (por referência ao El País e pela direcção que tinha na fundação); hoje, tem um director que assume posições ditas liberais, mas que se confundem com linhas defendidas pela direita; a redacção e a restante direcção fariam contraponto, mas o jornal hoje é muito à imagem de José Manuel Fernandes. O painel de opinadores é variado, mas (de modo impressionista) com predominância da direita.

Diário de Notícias: o único diário que tem uma direcção à esquerda. Mas o jornal no conjunto assume uma linha editorial menos clara nesse "alinhamento" e no seu painel de comentadores (ainda que haja coisas menos "equilibradas", como o facto da "Geração de 70" ser representada apenas por dois "direitistas").

24 Horas: outro jornal que pelo seu estilo, popular, tablóide, acaba por se posicionar como contra-poder.

Portugal Diário: [em actualização]

Diário Digital: [em actualização]

Diário Económico: [em actualização]

Jornal de Negócios: [em actualização]

Destak: [em actualização]

Metro: [em actualização]

Jornal de O Dia: residual, quase uma excrescência, que pouco vende. De (extrema-) direita, conservador, aberrante.


[Este debate pode ser acompanhado aqui, aqui e aqui.]

Setembro 05, 2006

...

Miguel Marujo

Eu sei: Bob Dylan tem um excelente álbum. Eu sei. Não seria preciso mais para ouvirmos o disco. Mas. Assim, ainda é melhor.

Bob Dylan, "When The Deal Does Down"
[descoberto aqui]

Pág. 3/3