Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Julho 24, 2006

Sofrimentos

Miguel Marujo

«Quando me inscrevi num ginásio, o sofrimento físico não tardou. Balofo e imóvel, obrigava subitamente os músculos a um trabalho inusitado, e depois eles doíam o dia inteiro, incluindo em sítios onde eu nem sabia que havia músculo. Era um sofrimento benéfico, mas mesmo assim um sofrimento.» Podia continuar a citar Pedro Mexia. Mas não seria honesto da minha parte: ele desistiu do ginásio sem comprovar vantagens desse esforço. Eu ainda resisto - e sofro. Não há parábola alguma nisto.

Julho 24, 2006

Roupas

Miguel Marujo

Escolher entre o pólo castanho, a camisa vermelha ou a t-shirt branca tem poucas implicações no meu dia-a-dia. Aqui é o mesmo, não se enganem. Mudámos de roupa, mas as convicções são as mesmas — e as baralhações de temas. Não nos importamos de falar do tempo, da guerra, de bola, da cidade, dos decotes, da morte e da vida. Mas o tom nunca será leviano. Só a nova roupa do blogue se pretende leve.

Julho 23, 2006

Proporções

Miguel Marujo

O que impressiona sempre nos exercícios de estilo sobre a guerra em curso no Médio Oriente, em particular entre os analistas à direita ou que apoiam Israel, é a facilidade com que se contam espingardas: Israel bombardeia o Líbano porque o Hezbollah lança rockets e, antes, raptou três soldados israelitas e, antes ainda, bombardeava cidades israelitas. Mas ainda ninguém me explicou porque é que o Governo israelita bombardeia civis inocentes libaneses, claramente de forma desproporcional. Hoje, nas notícias lia-se que os bombardeamentos israelitas fizeram pelo menos 11 mortos na cidade de Tiro (não consta que haja "militantes de deus" entre os mortos) e os rockets do Hezbollah mataram dois cidadãos israelitas. É de mim, mas há desproporcionalidade a mais, nesta contabilidade. As mortes deviam ser zero, de parte a parte. Mas a culpa é sempre do outro.

[actualizado: a leitura de Miguel Vale de Almeida é outra possível: «Não devo ser o único a sentir uma enorme dificuldade em escrever sobre (nem sei como lhe chamar) o que se passa no Líbano, na Palestina, em Israel. Tomar partido por um dos "lados", de forma clara, parece-me irresponsável. Identificar quem espoletou o quê (e, portanto, é "responsável") parece-me leviano. [...]»]

Julho 22, 2006

Tédio (II)

Miguel Marujo

É o que dá não ter manchetes coloridas no Expresso. Pomo-nos a mexer no template desta casa. Manias. [Sim, podem entupir a caixa de comentários a dizer mal, ou enviar e-mails a insultar. Para acabar com o tédio.]

Julho 22, 2006

Tédio

Miguel Marujo

A blogosfera anda entediada aos sábados. Faz falta o Expresso do grande arquitecto com as suas manchetes coloridas e todos suspiram pelo Sol de Setembro.

Julho 21, 2006

Finais felizes

Miguel Marujo

src=http://images.nzcinema.co.nz/movies/images/Casomai_1044_medium.jpg>

«[...] E então estavam a casar-se. O padre pede-lhes que repitam alto os votos do casamento, junto a uma igreja cheia, e depois do texto normal "prometo ser-te fiel… excepto uma ou outra vez, porque toda a gente sabe que isso traz nova chama ao casamento. Lá haverá vezes em que te tratarei mal mas toda a gente sabe que o tempo passa e o amor mirra e a vida..." Uma grande conversa que sou incapaz de reproduzir, até que o pai da noiva, depois da perplexidade de toda a audiência (filmada em grandes planos) diz, "Por favor pare com isso!!!". E o padre dá uma gargalhada e diz "Finalmente que alguém me manda calar!". E começa então a dizer percentagens de casamentos que não dão certo ou que têm as tais escapadelas dizendo que não os quer enganar, não lhes quer dizer que isso não acontece e que não lhes poderá acontecer. [...]» [da Inês, que nos enche sempre de futuros]