Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Outubro 17, 2005

Washington DC

Miguel Marujo

No relvado do Mall, a marcha de um milhão de homens. A curta distância, a Casa Branca, indiferente a tudo, como quase sempre. Mais longe, o Lincoln Memorial. O discurso de Abraham Lincoln ali gravado na pedra nao é a leitura preferida de Bush. Infelizmente, "Dubia" só conhece o Velho Testamento - e mal...

[actualizado (a 30 de Outubro, no regresso a Portugal): duas notas aos comentários aqui deixados. Ao Nuno Guerreiro, que comemorou dois anos da sua bela rua - o post tem a ver com uma referência que falta, na frase final: Bush só conhece o Velho Testamento do "olho por olho, dente por dente"... Do reparo do anónimo, só apetece rir. Eu sei que Bush diz ler (sublinho: diz) a Bíblia todas as noites (de manhã está entretido com o jogging ou a despachar guerras). Duvido é que perceba alguma coisa do que lê.]

Outubro 17, 2005

Sob ameaca

Miguel Marujo

O anuncio e' repetido varias vezes. As vozes, feminina ou masculina, com sotaque carregado ou nem por isso, avisam os passageiros do metropolitano daquilo que os jornais antecipavam nas manchetes: "Subway threat", titula o METRO local. Nos corredores e nas plataformas do "subway", sempre abafados, a policia faz-se notar mais do que nos outros dias. De resto, ja e' uma cidade mais vigiada, com as bagagens ou mochilas inspeccionadas no MoMA ou na Catedral de Saint Patrick, no Empire State Building ou nas lojas de luxo da Quinta Avenida. Mas tambem e' a mesma cidade que, apesar de ter mudado com o 11 de Setembro, continua a recusar ficar prisioneira dos medos sensacionalistas dos tabloides e a fazer jus ao cliche da cidade que nunca dorme. No dia da ameaca, Dustin Hoffman passeava-se pelo West Village. Os restaurantes estavam cheios e o portugues da Patsy's, uma das melhores pizas da cidade, nao parecia preocupado com eventuais terroristas nos subterraneos. So se dizia cansado da cidade. "E' muita gente", resumia. Gente de todas as cores e feitios e credos e racas. A cidade, ela propria, continua a ser a melhor resposta aos fundamentalistas.

em Nova Iorque, a 9 de Dezembro