Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Julho 17, 2005

Pudor

Miguel Marujo

Spencer Tunick fotografou esta manhã 1700 mulheres e homens (incluindo um padre, dizem as agências noticiosas), em duas cidades do Noroeste de Inglaterra.

Julho 15, 2005

Alta velocidade

Miguel Marujo

Já percebi: meti-me com a vaca sagrada. Há umas assim (Medina Carreira, claro, Pulido Valente, António Barreto, ...). E logo os meus bons amigos Pedro - bem-regressado, pá! - e José me deram pancada da valente. Por causa do TGV, nem tanto por causa do Medina. Por falta de tempo para apanhar, hoje, o comboio da discussão deixo aqui uma citação de um post de jmf, sobre
Os milhões, lá fora
«Em França: 67 pôles de compétitivité pour dessiner une nouvelle France industrielle. Le gouvernement a rendu publique, mardi 12 juillet, à l'issue du Comité interministériel d'aménagement du territoire (CIADT), la liste très attendue de ces projets. Réunissant entreprises, chercheurs, centres de formation, ils recevront une dotation de 1,5 milliard d'euros sur trois ans.
Em Espanha: El Plan Estratégico de infraestructuras y transporte. Zapatero promete unir todas las capitales de provincia por AVE y autovía en 2020
Pá, assim de repente, foi o que se arranjou - e até me parece pertinente! Depois apanho o comboio, ok?

Julho 14, 2005

Liberdade, igualdade, fraternidade

Miguel Marujo

Hoje, Pacheco Pereira escreve um texto (no Público, sem link) contra estes três valores fundamentais da sociedade ocidental. Mesmo que sob a capa de defender a liberdade do Ocidente. E onde relativiza Hitler. O Lutz, um alemão em Portugal, amigo desta casa, respondeu-lhe sabiamente. A ler (o texto é longo, mas vale muito a pena). No dia em que nunca é demais lembrar: liberdade, igualdade, fraternidade.

Julho 14, 2005

[tias e refresco]

Miguel Marujo

é assim: tá gira a e-cs-pô, já não vinha aqui há algum tempo, desde que levei o bernardo ao oceanário, giríssimo, mas (ah, olá, um beijinho, chuaque, como tá, inda não fui à praia, o bronze é da picina, ahahah, té já) precisamos de ganhar, para a cidade ficar melhor, o pedro não conseguiu passar a mensagem, jornalistas tá a ver, mas tô confiante no carmona, é sêrio, não é um político, pois. e o outro, é todo possidônio, né. lá por ser casado com a outra, né. pois. é assim: as sondagens são o que são, tá bem, o que importa é no dia 9.

[Carmona hoje apresentou não sei quantos caracteres de ideias para a cidade. No fim, serviu-se um refresco.]

Julho 12, 2005

Mil folhas

Miguel Marujo

Ele insiste: depois do «Tal & Qual», do «Metro» (duas vezes), do «Público», no domingo passado, e hoje de novo no «Metro» (e certamente noutros que não li), Manuel Maria Carrilho continua indisponível para comentar as ideias para Lisboa. Tanta arrogância, chateia!

Julho 12, 2005

Siglices

Miguel Marujo

Que estranho fenómeno leva jornalistas a designar o novo aeroporto por uma sigla, quando falamos de uma localidade?! OTA não significa Outro Tramado Alqueva, nem outra coisa qualquer. Ota (que é como se escreve) é nome de terra.

Julho 11, 2005

Jet-pop

Miguel Marujo

Chega-se ao fim da tarde ao bairro e toma-se o "Lisboa porta-a-porta", uma carrinha com sete lugares para uso de populares. Sem autocarro à vista, pergunta-se pela janela: destino? e se me leva? Que sim, que é para isso que serve. Que sirva então: use-se o carro, que vazio serve de pouco e gasta muito. Um táxi, assim, dá votos.

Julho 11, 2005

Jet-coiso

Miguel Marujo

Relato do casamento de Catarina Furtado num site "de social": «Com alguma surpresa, Catarina Furtado, que sempre foi bem tratado [sic] pela imprensa nacional, resolveu deixar comunicação social [sic] fora da cerimónia do seu casamento com João Reis. Talvez por isso, a imprensa acabou por ser a grande "dor de cabeça" do casal durante a cerimónia realizada na Quinta dos Anjos, em Santarém. Um helicóptero munido de máquinas fotográficas [sic sic] sobrevoou a Quinta e estragou os planos da noiva. O percurso da Ermida teve que ser feito de uma forma mais discreta, de forma a evitar que fossem captadas fotos do seu vestido de noiva. Durante a festa a "namoradinha de Portugal" andou sempre a esconder-se do "maldito" helicóptero.»