Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Fevereiro 12, 2005

...

Miguel Marujo

Há-de uma grande estrela cair no meu colo...
A noite será de vigília



à Alice, que nasceu ontem - e aos pais, Margarida e Zé Mário. size=-2>palavras de «Reconciliação», de Else Lasker-Schüler, in Baladas Hebraicas, com ilustração de Miguel Rocha, in Março.

Fevereiro 11, 2005

«Vale tudo»

Miguel Marujo

É assim que dirigentes do PSD têm confidenciado que seria esta campanha eleitoral. A do «vale tudo».
E já se percebeu que sim, vale mesmo tudo: primeiro, os boatos alimentados canalhamente por quem tinha responsabilidades, mas que há muito se mostrou inimputável. Depois, como nada disto parecia resultar, a(lguma) PJ faz mais um favorzinho: sai cá para fora uma notícia com óbvias intenções político-partidárias (as cassetes desta vez não devem gravar nada), no jornal que mais gosta de lucrar com este tipo de noticiário. [Seria interessante analisar a quantidade de "escândalos" que atingiram, segundo o antigo semanário de Paulo Portas, os governos de Durão e Santana: quantos ministros PSD e quantos governantes PP...]

Sobre mais esta campanha da lama, a ler: Bloguítica, impreterivelmente.
[actualizado: todos nós sabemos o que significam «fortes indícios», na terminologia jornalístico-pjotística.]

Fevereiro 10, 2005

Mulheres inúteis e incompetentes?

Miguel Marujo

Recebi cá em casa - contra a indicação do autocolante que não gosta de publicidade não-endereçada (o primeiro autocolante de Sócrates, do you remember?) - um panfletozinho a anunciar-me que «a competência é útil para Portugal.»

E um friso de notáveis (que já precisariam de um minibus), 15-quinze-15, a olharem-nos fixamente: Portas ao centro e em plano maior. Depois os outros em leque. Um leque de gravatas, à excepção de 3-três-3 mulheres. Pergunta-se a Portas: a competência das mulheres não é assim tão útil para Portugal? Ou é inútil a sua competência para o projecto revolucionário do século XXI?

Fevereiro 09, 2005

Meter a mão na massa

Miguel Marujo

[ou escritos em defesa do voto na esquerda]

Este texto é publicado hoje na Terra da Alegria, onde outros apresentam também a sua leitura da coisa política. Por a Cibertúlia ser um blogue de cariz diferente, atrevi-me a acrescentar um último parágrafo, ainda mais politizado que o texto original.

Quem me segue nesta casa, já percebeu que não escondo alguma ruptura com questões mais práticas do exercício de sectores ditos conservadores da Igreja. Também na escolha política em vésperas de eleições o faço. O discurso da Igreja não pode ser só associado a homilias como a do padre de São João de Brito, compreendidas à cautela pelo Patriarcado. Mas também não pode remeter-se a uma lógica de fechamento na sacristia. Bem sei que o texto do José, aqui na semana passada, não vai por aí - mas a leitura que ali se retira também pode ser perigosa. Ele sabe-o e por isso, já no fim, acena com caminhos de esperança, contra o derrotismo do seu discurso.
Ao católico, cabe participar na política? Cabe. Como um dever quase sacramental. Se o templo foi tomado pelos medíocres, devemos procurar a expulsão dos vendilhões - ou pelo menos da sua mediocridade, com critérios de exigência. É mais cómodo e fácil gritar pobre país, o nosso e mantermos o apoio ao nosso clube, só porque é o nosso clube. Mas, para lá desta quase fatalidade de adepto, vale a pena ensaiar rupturas.
E que rupturas são essas?
O apelo do senhor padre lisboeta é um apelo habitual, quase farisaico - o de quem olha para a maçã e prefere sempre o lado mais lustroso, porque tem medo de trincar a parte mais pisada. Pede-se que não se vote naqueles que atacam a vida. Por uma vez, gostava de ouvir alguém gritar o mesmo - mas contra o ataque à vida que é a pobreza e a miséria. Por uma vez, gostava que a moral sexual ou questões que remetem para a consciência individual e familiar dos cristãos (corrijo: de todos os portugueses), fossem conscientemente debatidas no interior da Igreja, sem a demagogia dos assassinos (por oposição ao absurdo radical da barriga que é minha). Lamento: mas a eutanásia ou o aborto, sendo questões importantes, não o são as mais fundamentais para os portugueses.
Não são as que interessam mais ao povo português - numa altura em que o desemprego bate à porta de milhares; em que o imigrante é erradamente visto como alguém que está a mais ou apenas diferente; em que os ricos estão mais ricos e os pobres mais pobres; em que a produtividade só é medida pelo lado do trabalhador ou que a necessidade de cortar despesas signifique despedir; em que a Saúde está entregue a uma lógica cada vez mais de clientelismo e não de assistência; em que na Educação se valorizam "rankings" que sublinham a alegada excelência de escolas privadas, escondendo o trabalho social que muitas não fazem; em que a Justiça é lenta e perniciosa para os que estão sobretudo à margem; em que o Fisco penaliza quem trabalha por conta de outrém, facilita a vida à banca e às grandes empresas e continua a permitir a evasão dos mais ricos; em que os impostos vão penalizando quem não já paga e não aqueles que deveriam pagar; em que a Segurança Social, dita na falência, sem nunca ter atingido patamares de Estado-Providência, continua a ser atacada, para cobrir défices artificiais e auxiliar seguradoras; em que as empresas de serviços públicos laboram em pretensos mercados abertos, mas mantendo situações de inegável monopólio e comprovável sobranceria face aos utentes/clientes; em que...
A lista é longa, porque é longa a lista de problemas. Mas que fazer? Remetermo-nos à sacristia e sair a horas certas para pequenas acções de caridade (esquecendo o imenso alcance da palavra na sua origem)? Ou lutarmos para que estas coisas mudem? Para que estes atentados à vida acabem?
Claro que temos de seguir este caminho. E aqui o caminho, não tem de ser apontar o dedo aos que insistem no aborto, ou noutras questões que alguns dizem ser da vida. Não: de uma vez por todas, temos de apontar o dedo daqueles que se proclamam cristãos, mas no dia-a-dia atacam os seus semelhantes, criando dificuldades aos ciganos, que roubam com o rendimento mínimo. Mais rendimentos mínimos houvesse! Ou que seguem uma política de privatizar porque o Estado é mau gestor. Acaso não foram eles os gestores da coisa pública? Os vendilhões do templo dizem-nos que é útil a sua competência, mas confiaram a Nossa Senhora o que não fizeram no ambiente. Os auto-proclamados detentores da verdade empurram-nos para o colo de questões menores, chamadas de civilização, apenas para ganhar no jogo de malícia ao balcão da cervejaria de que aquele afinal é maricas. Zelam por virtudes que não praticam, rezam quando ficam na fotografia. Tudo coisas pequenas, mas que não têm problemas de trazer à liça para laçar mais votos. E para encorajar homilias como a do senhor padre de São João de Brito.
Demagogia feita à maneira, apontam-me o dedo. Mas, neste tempo, há que romper discursos caridosos ou politicamente correctos ou maioritariamente consensuais. Neste tempo, a Igreja devia dizer: é preciso fazer uma verdadeira opção preferencial pelos pobres. A direita no poder desde 1979, com um interregno de seis anos de governos de Guterres, e com a agravante do descalabro dos dois últimos anos, não tem condições de se reivindicar da doutrina social da Igreja. Nem muito menos de proclamar a defesa da vida, da vida dos mais pobres.
No dia 20, votarei PS. Já o disse aqui, por interpostas vozes e apontamentos vários. Será o PS de Sócrates tão igual assim do PSD de Santana e do PP de Portas (que diabo!, estes são unha e carne, foram-no durante três anos)?! Não, não são iguais. Ao governo de António Guterres - de que fez parte Sócrates - imputa-se uma das medidas socialmente mais arrojadas dos anos da democracia, o Rendimento Mínimo Garantido. Com todas as falhas que se lhe reconhecem, mas as falhas corrigem-se, não se matam os princípios. E aos governos de Durão-Portas/Santana-Portas apenas se reconhece a morte antecipada por birra ideológica do RMG, substituído por um rendimento de inserção social, cuja lógica foi desenhada para falhar, para poder acabar pura e simplesmente com a medida emblemática dos governos socialistas. E que alternativa nos propõem eles? Que dizem eles às milhares de crianças que voltaram às escolas, nos primeiros anos do RMG? Nada. Preferem atacar os ciganos do rendimento mínimo, como fez Paulo Portas na campanha de 2002, só porque os ciganos não votam ou votam pouco. E preferem falar de questões de civilização.