Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Outubro 30, 2004

Túnel do Rossio (entretanto, à superfície)

Miguel Marujo

«Artilharia Um renascida. Campolide Parque transforma aquela zona da cidade de Lisboa. [...] No quarteirão que faz fronteira com a rua da Artilharia Um, com cerca de cinco hectares, irá nascer um novo conceito de urbanismo. [...] Neste momento, o projecto está pronto a arrancar, tendo sido aprovado em todos os organismos locais. Resta apenas o parecer da Direcção Geral da Ordenação [sic] do Território. As obras devem arrancar no final de 2005.»



in Expresso Imobiliário Espaços & Casas, este sábado, uma semana depois do encerramento do túnel ferroviário do Rossio, à "cota" daquele empreendimento, que terá uma saída directa para o túnel rodoviário das Amoreiras, desejado pelas «autoridades locais» e actualmente embargado [sublinhados nossos].

Outubro 29, 2004

Finado

Miguel Marujo

Vêm aí os finados. E vêm aí amigos. Com histórias para contar e muitos sítios para visitar. Para ver se estes dias, mesmo de chuva, são mais animados. Quem sabe se nos encontramos também aqui.

Outubro 29, 2004

Mexa-se pouco

Miguel Marujo

Mexia bem se passeia em locomotivas de há dois séculos. Mexia bem anuncia que os passes mais caros é medida de justiça social. Mexia anuncia, mas no dia-a-dia é tudo diferente. Lá em casa, há quem queira deixar o carro encostado e passar a usar o comboio até Setúbal. Mas o cartão Lisboa Viva (que pretende integrar todos os transportes da Grande Lisboa) não serve para a Fertagus. É preciso fazer um cartão novo. «O Metro não chegou a acordo», responde o funcionário. Tem razão: nunca há acordo na articulação de uma política de transportes. Depois admiram-se que o carro volte a circular...

Outubro 28, 2004

A viagem

Miguel Marujo

src=http://www.symynet.com/online_gift_shop/artwork/old-train-s.JPG>

Esta manhã, o presidente da CP passeava-se em comitiva para mostrar como estão a funcionar os alternativos. Dei a dica a um jornalista amigo: "pergunta-lhe pelos ecrãs que dão informações erradas...". Assim é: em Sete Rios, no ecrã anuncia-se o "semidirecto" para Sintra, com paragens (no percurso que faço) em Benfica e Queluz-Massamá. Entro no comboio sem olhar e páro em todas as estações. O comboio «Sintra SD» ultrapassa aquele em que sigo na Amadora. O que vale é que umas meninas da CP, à chegada a Queluz, oferecem-me um chocolatinho belga, para festejar a primeira viagem ferroviária há 148 anos. Um charme, esta CP.

Outubro 28, 2004

A mensagem

Miguel Marujo

À minha diatribe sobre católicos e homossexuais, uma leitora (MAP) reagiu dizendo que eu serei «menos "católico devoto"» e, eventualmente, «mais cristão». Deixo as suas palavras - de um tema a que voltarei, também por causa dos comentários lá "postados".



«Sim, meu caro, você é menos "católico devoto" que Mário Pinto. Graças a Deus, quem sabe, você é mais cristão (admitindo, para não julgar, que Mário Pinto é cristão). Mas qual é a sua "pertença" eclesial, em face da "doutrina" e da "autoridade"?!



Eu também passei por encruzilhadas como as suas . Comprometi no seio da Igreja Católica a minha juventude. Até que percebi que pensando como eu pensava, sentindo como eu sentia, eu, afinal, estava fora da Igreja Católica. Fiquei sem Igreja, até hoje. Infelizmente, desfez-se nesse percurso a minha fé. "Infelizmente", digo, porque me ficou o mesmo sentimento descrito por uma Carmelita, assim:



"Quando perdi a fé, sofri por ter deixado de rezar. Por ter deixado de ter alguém a quem me dirigir. Não vejo nada que se lhe possa equiparar, a não ser o desespero absoluto e sem recurso do fim de um qualquer amor".

(in Outside, de Marguerite Duras)



Gosto muito de o ler. E gostei, apesar de tudo, de o ver reagir e demarcar-se como católico. Com paixão pelo Evangelho...
»

Outubro 28, 2004

A rua

Miguel Marujo


Um dia espreitei para as suas casas e senti-me acolhido. Da porta do lado saíam músicas belíssimas. Às janelas viam-se belas palavras. E dos seus candeeiros, a luz que iluminava o caminho nem sempre escolhia o ângulo mais fácil. E só se pode gostar de um sítio assim quando ali se canta שיר לשלום (A Canção da Paz).

Parabéns, Nuno, pelo primeiro aniversário da tua rua.

Outubro 28, 2004

A porta

Miguel Marujo

A imagem diz tudo. Rui Gomes da Silva atarantado com as perguntas dos jornalistas tenta abrir uma porta para sair dali rapidamente. Não consegue e tem de sair por outra porta onde se aglomeram os jornalistas. A porta da demissão permaneceu ontem fechada. Quando é que o ministro-para-lamentar perceberá que só tem essa porta para abrir?

Pág. 1/7