Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Julho 01, 2004

Importa-se de repetir

Miguel Marujo

Paulo Portas continua em silêncio sobre Durão Barroso. Mas continua a trabalhar enclausurado no forte de São Julião da Barra, de onde emana vários despachos sobre a defesa da Pátria. Lembram-se dos seus tempos independentes a criticar a prosa de Sampaio? Leiam-me este naco de prosa tecnocrata e digam-me lá quem é que é incompreensível?!



«Despacho n.º 12 887/2004 (2.ª série). — Considerando que a finalidade global da normalização consiste na melhoria da eficácia das forças militares e acréscimo de eficiência na utilização dos recursos disponíveis;

Objectivando o indispensável grau de interoperabilidade que deve caracterizar as Forças Armadas, quer no cumprimento das missões específicas e fundamentais de defesa militar do território nacional quer ao actuarem como instrumento de política externa do Estado,

nomeadamente em missões de apoio à paz e outras com integração de unidades em forças multinacionais;

Tendo em vista a satisfação do princípio da normalização, no âmbito da doutrina de operações conjuntas, no seio da OTAN:

Determino que Portugal ratifique o STANAG 4485 (ED.01)(RD.01) «SHF MILSATCOM non-EPM Modem for Services Conforming to Class-A of STANAG 4484 (RR)».

15 de Junho de 2004. — O Ministro de Estado e da Defesa Nacional,

Paulo Sacadura Cabral Portas

[in Diário da República, de hoje]

Julho 01, 2004

Hino da final*

Miguel Marujo

[cantar com a música «Força» da Nélinha do Canadá]



«Se um durão te abandona logo a meio

E um Santana quer o lugar do primeiro

Se a maioria só grita da varanda

Que no poder não é o povo quem manda



Se o Sampaio está muito baralhado

E o acto nunca mais é convocado

Se quando recebes não te dá pra todo o mês

Faz lá a asneira de votar neles, outra vez



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Se o Maniche remata ao cantinho

Nem ouves a opinião do Canotilho

Se o Ronaldo cabeceia à baliza

Já nem te lembras do tacho da Maria Elisa



Mas se consegues sair à rua c'oa bandeira

Também tens tempo pra defender a tua veia

Se o teu sangue é mesmo verde e vermelho

Mand'os chupistas todos para o galheiro



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Forca!

Forca!

Forca!

Forca!



Levanta-te do sofá...

Grita que queres votaaaar!



"Mais perto do céu

Mais perto do cééééu.."



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Lev'os à forca

Lev'os à forca

Lev'os à forca

P'las goelas

A aleijar



Se um durão te abandona logo a meio / Lev'os à forca

E um Santana quer o lugar do primeiro / Lev'os à forca

Se a maioria só grita da varanda / Que as goelas

Que no poder não é o povo quem manda / Não podem apertar



Forca!

Forca!

Forca!

Forca!»



* - Esta peça notável de poesia é postada pelo (também, às vezes) nosso Primo Galarza, nesse blogue de liberdade, que é o dos Galarzas! - e que hoje comemora um ano de ousadia!