Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Março 30, 2004

Obos móis (pausa para a merenda)

Miguel Marujo

src=http://www.residencial-alboi.com/graficos/ovos_moles.jpg>


Não sei se repararam, mas a Deco fez um estudo ao pão-de-ló e aos ovos moles de Aveiro. E, nestes, há resultados surpreendentes (pela negativa) sobre mais uma das provas da existência de Deus: a pastelaria Ramos (Avenida) e a Costeira (Peixinho) tiveram problemas pontuais de microrganismos patogénicos (salmonelas). Valha-nos, Maria da Apresentação!

Março 30, 2004

Votar em branco é participar

Miguel Marujo

Embora nunca o tenha feito, já me ocorreu em algumas situações. O significado que dou ao voto em branco é:

O Exercício de um direito que me assiste.

Representa a minha não identificação com as soluções apresentadas.

A problema inerente á proposta de Saramago, é que, no limite, se só houver um a não votar em branco, passa ele a influenciar o modo de vida de todos os outros.

Se a proposta é a discussão do(s) modo (s) democrático, legítimo, estou aberto à discussão. Se entramos no campo da avaliação destrutiva tipo tuga :

"A culpa é do sistema" ; "mudam as moscas"; "são todos a mesma"; "querem é ganhar o deles"; "quem se ... é o mexilhão" , etc. Não contem comigo. Há bons e maus profissionais em todas as áreas e todos os quadrantes, está na altura de se criticar objectivamente indicando os responsáveis, e promovendo aqueles que ao serviço da "coisa pública" (República, lembram-se?) são actores da mudança.

É uma das alternativas de evolução do exercício democrático.

Deixemos de ser treinadores de bancada, ao contrário do que possa parecer, este país é mais do que futebol. O conceito de cidadania é feito em exercício, e não precisamos de ser todos o primeiro-ministro.

Março 30, 2004

«O Senhor estava a chegar»

Miguel Marujo

Todos os dias úteis, a laicidade do Estado é ludibriada na «Praça da Alegria». O inefável «padre Borga» (assim apresentado e chamado no programa de serviço público da RTP1) emite opiniões, graceja piadas e cantarola «o Senhor estava a chegar». Mas a isto os meus amigos do Barnabé não reagem. Preferem meter-se com uns miúdos que deram em copistas da Bíblia. Sem TSF que nos safe, uma RTP mais evangelizadora que a antiga TVI da igreja, viajo até à rádio privada de Tiago Guillul, disponível na Voz do Deserto. Ali, pelo menos, há humor.

Março 30, 2004

Eu já votei em branco. E estava lúcido...

Miguel Marujo

O novo livro de José Saramago, «Ensaio sobre a lucidez», conta a história de um país onde a grande maioria vota em branco, farta dos políticos. Escreve o Daniel Oliveira, num comentário a um longo "post" seu no Barnabé, sobre o lançamento do livro: «Vota tudo em branco, mostramos que estamos todos muito zangados, e construímos o quê? Umas das coisas que me faz gostar de coisas como o Fórum Social Mundial [FSM] é que, para além do protesto, debate alternativas e quer acrescentar democracia à democracia. Pode demorar ou não servir para nada, mas tem a honestidade de tentar. Votam todos em branco porque estão todos muito chateados com os partidos. E pergunto-te agora eu: ok, e depois? Que raio de caminho!»



Eu já votei em branco. No referendo do aborto, descontente com «a barriga é minha» dos pró-despenalização e dos pró-vida pouco preocupados com outras vidas. E acho que, assim, estou a ter a honestidade de tentar mudar. Por uma vez, dentro do sistema, fora dos partidos. Porque um movimento alternativo como o FSM faz-se à margem dos partidos. Porque não devo ser obrigado a escolher entre A e B, quando os dois radicalizam opções, sem espaço para procurar novos campos de debate. E um voto em branco é mais forte - e menos mau - que a abstenção. Voltarei ao tema.

Março 29, 2004

Serviço público (como a PT nos rouba)

Miguel Marujo

Foi anunciado: a Portugal Telecom chegou a acordo com a Deco por causa da famosa taxa de activação que nos cobrou ilegalmente em 1998 e 1999. Depois da condenação em tribunal, a PT pediu a todos os seus clientes que entregassem as facturas daqueles anos para poderem reaver o dinheirinho. A Deco voltou a protestar e conseguiu borlas para os telefonemas feitos pelos clientes da PT, a 15 de Março, entre as 19 horas e a meia-noite, e em todos os domingos, de 21 de Março e 13 de Junho. Dias depois - porque as outras operadoras protestaram por discriminação dos seus clientes que, entretanto, tinham saído da PT - a operadora quase monopolista anunciou que, para fazer as chamadas à borla, é preciso teclar o prefixo 1070.



Duas dúvidas:

1. E quem fez chamadas a partir de telefones PT sem o prefixo, nos dias à borla?

2. E quem entregou as facturas para ser reembolsado? Vai ficar a ver navios?

Março 29, 2004

«Who The Fuck?»

Miguel Marujo

src=http://www.inkblotmagazine.com/rev-archive/images/ca_PJHarvey_Dry.jpg>


PJ Harvey anunciou o seu novo álbum para 31 de Maio. «Uh Hu Her» tem um alinhamento sugestivo, avaliando (para já) os títulos das canções que fazem o álbum composto, tocado, produzido por PJ:

1.The Life and Death of Mr Badmouth, 2.Shame, 3.Who The Fuck?, 4.The Pocket Knife, 5.The Letter, 6.The Slow Drug, 7.No Child of Mine, 8.Cat on the Wall, 9.You Come Through, 10.It's You, 11.The End, 12.The Desperate Kingdom of Love, 13.The Darker Days of Me & Him.

Março 29, 2004

A esquerda sem ideias

Miguel Marujo

Paulo Varela Gomes é académico de Coimbra. Transformou-se em míssil e acertou em cheio no xeque Yassin, senhor indesejável para a paz no mundo. Mas as posições de PVG não favorecem também a paz. A malta do Barnabé azedou com esta esquerda trauliteira, mas Ivan, o "teguível" (nadador-salvador da Praia onde PVG se travestiu de míssil), invoca a adolescência comum em que vertiam azedume sobre o Papa e a irmã Lúcia, que seriam «senis» (falarão do mesmo Papa que clamou contra a guerra do Iraque?). Eu, de esquerda, católico militante, pacifista convicto (palavra que horroriza a direita blogosférica e a esquerda missística), não gosto de frequentar uma praia sem ideias e que para rebater argumentários alheios prefere babar-se com imagens ridículas...

Pág. 1/9