Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Dezembro 14, 2003

Onde estavam vocês em 1999?

Miguel Marujo

«O PSD elogia, por outro lado, a coragem de Durão Barroso, com a direcção a dizer orgulhosa "pelo facto de o Governo, e principalmente pelo primeiro-ministro, José Manuel Durão Barroso, fazerem parte daqueles que não hesitam em ter coragem, suportando os tempos difíceis com estoicismo, e reagindo com contenção e humildade nestes dias".» [in PortugalDiário]



Durão Barroso sugeriu, às primeiras dificuldades em Timor-Leste, antes do referendo, o adiamento da consulta popular. Hoje, Timor seria independente com um primeiro-ministro chamado Durão?

Dezembro 14, 2003

Boas notícias

Miguel Marujo

Estar longe do blogue dá nisto. Breves apontamentos para duas tão boas e grandes notícias. Depois de um bispo a pedir o óbvio, a excelente notícia de Saddam preso. As reflexões sobre estes dois episódios ficam prometidas para depois.

Dezembro 11, 2003

Os blogues da direita e Pacheco Pereira

Miguel Marujo

Não consigo acompanhar quase nada do que se escreve por toda a blogosfera. Visito uns quantos blogues preferidos, uma, duas, três vezes ao dia. Espio mais uns quantos, algumas vezes por semana. E depois, silêncio. É impossível ir a todas. Mas gostava de ler agora as opiniões da direita quando JPP escreve coisas como estas:

«Segundo os jornais, Paulo Portas disse que Mário Soares terá sofrido recentemente "três derrotas". A saber: "João Soares (filho) perdeu as eleições para a Câmara Municipal de Lisboa; Maria Barroso (mulher) não se manteve à frente da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP); Jorge Sampaio é o Presidente da República."

Portas, como dirigente partidário, pode falar do primeiro e do último facto como "derrotas", nunca do segundo, o afastamento de Maria Barroso da Cruz Vermelha, pelo Ministro da Defesa, ele próprio. Porque, se é assim, as razões para o afastamento de Maria Barroso foram motivos políticos e por ser esposa de Mário Soares, e isso configura um acto de retaliação inaceitável num estado democrático. Pela boca morre o peixe.
»

SENTIDO DE ESTADO, in Abrupto, 9/12/03, 00:34.

Dezembro 11, 2003

Mais uma peça literária de perigosos esquerdistas anti-americanos

Miguel Marujo

Bush «colocou essencialmente os Estados Unidos ao lado dos ditadores que prometem a guerra [China], em vez de ao lado dos democratas cuja ameaça são as urnas de voto [Taiwan]». O que move Bush? «Acima de tudo evitar mais uma crise de política externa em ano de eleições. Mas, ao evitar uma dor de cabeça, voltou a demonstrar como é maleável o seu compromisso de defesa de liberdade como princípio orientador da política norte-americana».



Editorial publicado neste suspeitíssimo jornal.

Dezembro 11, 2003

Independência, já!

Miguel Marujo

«Deixem a Madeira em paz. Se quiserem ver-se livres de nós, com muito prazer, mas de uma vez por todas. Não me chateiem. Estou farto que se metam com as coisas da Madeira lá no continente, ainda por cima com deturpação dos factos», Alberto João Jardim, in Público.

Dezembro 09, 2003

De que fala Soares quando pergunta pela Madeira sobre pedofilia?

Miguel Marujo

Não sei de que fala Soares, também caro jmf. Mas lembro-me, como se fosse hoje, de um encontro que tive há muito tempo, em 1992, nos anos eufóricos do cavaquismo.



Estava no Funchal, e pela mão do Edgar (com outros professores e psicólogos do MAC - Movimento do Apostolado da Criança, um movimento da Igreja de que o bispo Teodoro e o presidente madeirense Alberto João gostavam pouco) fui almoçar com os "miúdos das caixinhas". Que é como quem diz raparigas e rapazes, com 6, 8, 10, 15, 20 anos (as idades eram estas, os rostos ainda os lembro hoje), que pediam - e devem continuar a pedir - esmola junto à Sé do Funchal ou vendiam - sim, muitas vezes, e devem continuar a fazê-lo com outros nomes, as mesmas idades - o corpo aos turistas no Lido.



Aqui, a pedofilia tem um outro nome, escondido para baixo do tapete do desenvolvimento jardinista: chama-se dólar, libra ou o dinheiro que o parta. Na minha memória, chama(va)-se Sónia, Bruno...