Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Dezembro 18, 2003

Há mesmo muitos!

Miguel Marujo

Para vos provar que abortos há mesmo muitos, tomo a liberdade de citar aqui o Frederico Pombares. Este senhor, que eu não conheço, é um visionário. A 25 de Setembro, postava ele, no seu Blog de Notas, a seguinte pérola:



Novo referendo sobre o aborto.

Entretanto, ouve-se dizer que o país vai ser, de novo, referendado sobre o aborto. Ao que consegui apurar, a questão que será exposta aos cidadãos já está formulada e é aqui avançada em primeira mão. A saber:



Qual a sua opinião sobre o aborto?

a) Tem sido um bom primeiro-ministro.

b) Tem sido um primeiro-ministro ineficaz.

c) Nem sequer tem sido primeiro-ministro



O que é que eu vos dizia?!

Dezembro 18, 2003

Abortos há muitos!

Miguel Marujo

Já que toda a gente resolveu começar a mandar bitaites, eu também não quero ficar calado!

Quando eu era pequenino (ou menos gordo), na escola primária, chamava-se "aborto" às miúdas feias, aquelas que ninguém queria. Depois, mais tarde, "aborto" passou a ter outro significado. Na catequese diziam que era um coisa má. Que as mulheres más faziam. Na catequese nunca ninguém me disse o que era uma violação. Só fiquei a saber ao certo o que era uma violação quando vi, à escondida dos meus pais, um vídeo de um filme com o Dustin Hoffman chamado "Straw Dogs". Fiquei a perceber, nessa altura, que uma violação também é uma coisa má. Mas não estabeleci nenhuma ligação ao tema do "aborto". Nem à catequese. Depois, fui crescendo (e ficando mais gordo). E fui sabendo e entendendo outras coisas. E fui fazendo ligações. Um dia, chamaram-me para me pronunciar em referendo sobre a despenalizãção/liberalização do "aborto" que, nessa altura, se chamava IVG. Muita gente tentou convencer-me que, sendo eu católico, teria que votar "não". A verdade é que também aqui não vislumbrei qualquer ligação. Além disso, ser católico não quer dizer que não se tenha uma cabeça cheia de células ditas cinzentas que nos permitem pensar e fazer as nossas opções. Votei "sim". Entretanto, outros (alguns, na verdade, eram os mesmos) tentaram convencer-me de duas coisas: em primeiro lugar, corolário lógico dos acontecimentos passados, que eu não era um bom católico; em segundo lugar, que como os poucos portugueses que tinham ido votar tinham votado maioritariamente "não", então o assunto estava arrumado.

O problema, meus amigos, é que o assunto não está arrumado. Mesmo que o número de votantes tivesse sido superior a 50% dos eleitores inscritos, nenhuma decisão tomada por referendo é imutável. Era o que faltava! Se os deputados são eleitos de quatro em quatro anos e o Presidente da República de cinco em cinco, porque raio é que o resultado de um referendo haveria de ser eternamente válido?!

Hoje passei muito tempo no trânsito de Lisboa e, por isso, pude seguir, através da TSF, o debate no Parlamento. O PSD bem pode tentar disfarçar como quiser e puder, mas a verdade é que já ninguém duvida que quem manda na coligação é mesmo o PP. O outro PP, o Pacheco Pereira, bem avisou. O topo de gama desta tentativa de disfarce do PSD chegou esta semana por via do Nobre Guedes e foi hoje repetido por Durão Barroso no Parlamento: no PSD ninguém parece estar de acordo com a criminalização do aborto, mas, seja como for, a lei não vai mudar, pelo menos durante esta legislatura. Há duas razões para que isto não aconteça: uma verdadeira e outra falsa. A verdadeira é que o PSD sabe que enquanto tiver o PP como parceiro de coligação governamental não vai poder fazer nada sem a sua autorização; a falsa é a que Durão Barroso hoje utilizou: existe um compromisso eleitoral que impede o PSD de mexer na lei...

Será que o Dr. Durão Barroso é mesmo tão estúpido como aparenta ser? Ou será que decidiu começar a cumprir as promessas eleitorais? A mim, dava-me jeito que fosse esta última, porque desde que decidi não fazer um aborto e aceitar o Francisco no meu colo quando os médicos o tiraram do ventre da Inês, tenho-me farto de gastar dinheiro em fraldas... Um choque fiscal vinha mesmo a calhar!

Dezembro 18, 2003

Assim de repente que tenho que sair...

Miguel Marujo

Pois é, pois é... o Aborto outra vez.

Significa apenas que enquanto esta questão não for convenientemente discutida pela sociedade portuguesa tenderá sempre a renascer das cinzas. Pergunta-se: Se no referendo sobre o assunto o "Não" ganhou porque é que se volta à questão? Pois precisamente porque os "Sim"'s não ficaram convencidos. Mas fiquem certos de uma coisa: se, em novo referendo, o "Sim" ganhar, o "Não" voltará periodicamente à carga até levar a sua avante... e assim sucessivamente.



Eu pessoalmente...

... sou, para já, contra a liberalização do aborto. Lá que "des-criminalizem" tudo bem. Mas "des-penalizar" é que não. Isto porque sou bastante céptico em relação às situações que foram propostas para se permitir legalmente o aborto. Acreditem que tenho um terror absoluto que o aborto se torne um método contraceptivo "à-posteriori", uma espécie de pilula do mês seguinte.



Dizem-me:

"Uma mulher não aborta assim tão levianamente. Abortar é um trauma demasiado grande para isso.". Não sei se será assim. Já vi muitas entrevistas em telejornais a mulheres que abortaram porque "já tinham x filhos, o marido abandonou-me, e eu não tinha condições para ter outro.". Ora parece-me que nestas condições é que não. Se não tem condições entrega para adopção. Se o sistema de adopções em Portugal é incompetente, injusto, moroso então vamos todos lutar por um sistema melhor. Não optemos pela solução mais simples.



Parece-me que muitas das situações que levam ao aborto têm origem na má Segurança Social que temos, no deficiente acompanhamento a jovens mães, a mulheres violadas, a mulheres toxicodependentes. Acuso também as mentalidades retrógadas da nossa sociedade que ainda hojem condenam mães solteiras. Acuso a mentalidade dos que fazem juizos de felicidade, à priori, baseados na perfeição do filho por nascer. Acuso a sociedade por apoiar tão pouco os deficientes, discriminá-los mesmo, que leva muitos pais a pensarem que o filho nunca terá hipoteses de "ser alguém".



Reli o que escrevi e se calhar não era bem isto que queria dizer, ou poderia ter dito por outras palavras, ou se calhar estou a ser injusto. Provavelmente o que estou a precisar é de uma discussão séria sobre o assunto, sem lirismos, nem radicalismos. Talvez ficasse mais convencido...



Deixo aqui também a última frase do João:

"Não deixa de ser irónico, que este tema apareça por altura do Natal."

Pois precisamente quando se celebra o um nascimento...



Nota:

Sobre "des-criminalizar" ou "des-penalizar" não me puxa muito para a discussão. Eu não acho que a mulher que aborta é criminosa. Acho que quando alguém aborta a sociedade falhou por não dar alternativas. Dar a opção de aborto a alguém parece-me muito menos solidário.



Tenho que sair(!!!!!)...

... para ir buscar a minha filha, a inês, à creche e não tenho tempo para rever melhor o texto de algumas ideias... portantos vai mesmo assim. Se calhar não devia Postar um assunto tão melindroso... olha, azar. O que vale é que pela net ninguém me bate. E sempre posso voltar ao tema mais tarde... ou não.

Dezembro 18, 2003

Tristezas e distâncias

Miguel Marujo

Para que o Miguel não fique a falar sozinho... explicações para a minha ausência:

1. por vezes perco algum tempo em ascese.

2. desde o dia em que o Ministro da Cultura foi ao "Prós e Contras" da RTP e... gaguejou... que fiquei em estado considerado grave de descrença e perplexidade. Tirem-me deste país! Fiquei sem capacidade de escrever... desculpas pedidas à Cibertúlia!

Dezembro 18, 2003

Ufff...

Miguel Marujo

... já julgava que esta tertúlia estava transformada em púlpito de uma voz só. Aí estão as palavras do João Borges. Venham lá mais!

Dezembro 18, 2003

Voltámos ao mesmo !

Miguel Marujo

Desde o tempo em que a Zita Seabra era deputada de esquerda (aos anos a que isto foi) que esta discussão surge. A do aborto. É um tema recorrente, e muitas vezes mal tratado. Eu sou claramente pelo direito de opção (dos pais), e gostava que não ficassem dúvidas sobre isso. O papel que sistematicamente a igreja recusa ter neste debate, é assustador.

Estamos perante um dos "muros da razão", das verdades absolutas, dos sem alma ! Não são uns melhores nem piores que os outros, são só cobardes se não tiverem a frontalidade de debater o tema, de aceitar o outro (lembram-se?).

Não deixa de ser irónico, que este tema apareça por altura do Natal.

Dezembro 18, 2003

A direita não gosta da Europa, mesmo

Miguel Marujo

O problema não é Chirac ou Schroeder. O problema é a Europa. Paulo Teixeira Pinto, ideólogo do cavaquismo (em todo o seu esplendor de verdadeira salganhada ideológica: nacionalista, monárquico e "laranja"), escreve sobre a Constituição Europeia e Saddam: «A única pena que ensombrou a magnífica novidade do desaparecimento da Constituição Europeia foi, curiosamente, outra boa notícia, ou seja, a tal detenção do histórico aliado do Presidente daquela Nação que nos séculos XVIII e XIX proclamava ao mundo o iluminismo ao mesmo tempo que invadia e saqueava outros Estados, entre os quais Portugal» [sublinhado nosso].



Veja-se a História reescrita em todo o seu esplendor: Saddam «histórico aliado» da França - e não dos EUA, que o alimentaram durante anos e anos. E o iluminismo reduzido a um movimento expansionista na Europa. Que dizer então do "novo iluminismo bushiano", que proclama ao mundo os direitos humanos e todos os dias os atropela em Guantanamo e nos seus corredores da morte?



Mas há sapos curiosos que o discurso nacionalista tem de engolir: para atacar Chirac, elogia-se Castela (peço desculpa: Espanha). O caminho para estas e outras redentoras ideias é aqui...