Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


9-11

por Miguel Marujo, em 11.09.03
Antes de mais, um último agradecimento... Miguel: eu percebi que o JPH não entendeu o meu texto como uma anedota. Eu estava a brincar... era uma chalaça, percebes? O texto não era uma anedota, mas até parecia...



O José Manuel Fernandes assina hoje um editorial no Público, intitulado "Uma batalha que diz respeito a todos". Entre uma série enorme e diversa de considerações de senso-comum barato, asneiras que lhe ficam mal e parvoí­ces às quais já nos foi habituando, JMF afirma que «continuamos a ter de lutar por um modelo civilizacional assente no respeito pela lei e pelos direitos dos indivíduos e que tem como expressão de governo a democracia liberal».



Isolada, esta frase poderia ser incluí­da no grupo das considerações de senso-comum barato. O problema é que, no contexto em que está inserida, a afirmação passa a ser um misto de asneira (que fica mal ao director do Público) e de parvoíce (à qual já nos foi habituando).



É que quando JMF diz «continuamos», está a incluir neste «nós» os americanos e os ingleses (ou os seus governos, para ser mais exacto). O que é, evidentemente, uma contradição, já que se há coisa que deixou de ser respeitada por estas duas potências, desde há dois anos, foi precisamente a lei e os direitos dos indivíduos.



Se JMF não partilhasse da obsessão messiânica de George W. Bush - que, como diria Leonard Cohen no seu poema "First we take Manhattan", parece sentir-se «guided by a signal in the heaven»... - talvez conseguisse parar um bocadinho e perceber que o mundo - antigo ou moderno - não se desenha a preto e branco. E ficava-lhe bem admitir...



Estou de acordo que é intolerável que «a qualquer momento, em qualquer lugar, cidadãos tranquilos e paí­ficos» possam ser atacados. Mas, pelos vistos, ao contrário de JMF, acho tão grave que os atacantes sejam «fanáticos em nome de um fundamentalismo islamo-fascista» como outra coisa qualquer... mesmo que vistam camuflados, andem de tanque e helicóptero e saibam falar inglês com sotaque do midwest.



JMF defende-se, dizendo que já falou dos prisioneiros de Guantanamo e que não quer falar sobre as armas de destruição maciça que, aos seus olhos, não são questões centrais. Pois...



Bem sei que a técnica de construir uma teoria a partir de apenas alguns elementos (eventualmente "reforçados"), ignorando propositadamente outros, não é uma criação original de JMF. Outros, antes, utilizaram a mesma técnica. Mas o facto de um erro ser cometido muitas vezes, não faz com que deixe de ser um erro. Certo?!



JMF não quer falar das armas de destruição maciça e de outras questões "periféricas" porque são peças difí­ceis de encaixar no seu puzzle preto-e-branco que prova que "o Iraque é o novo campo de batalha" entre o bem o mal.



Seremos todos americanos, mas isso não significa que tenhamos todos de estar de acordo com a poí­tica seguida pelos nossos governantes. George W. Bush não pode, até porque carece de legitimidade democrática para o fazer, decidir sozinho entrar numa batalha e, depois de lá estar, gritar por ajuda, dizendo-nos que a batalha diz respeito a todos.



Não, JMF, as batalhas que me dizem respeito sou eu que decido quais são. Não é o Presidente dos EUA, nem o director do Público.



No dia 11 de Setembro de 2001, quando os atentados bárbaros que atingiram NY e Washington tiveram lugar, eu estava a viajar para Istambul. Foi num hotel dessa cidade-ponte que vi as imagens do impacto dos aviões, do colapso das torres gémeas do WTC, do caos, do pânico e da estupefacção.



Trazia nesse dia comigo um caderno que, na capa, tinha a seguinte inscrição: «welcome to the wild world». O caderno estava cheio de folhas brancas e eu decidi começar a preenchê-las. No momento em que peguei na caneta, ouvi, um pouco por toda a cidade, os cânticos que chamavam os fiéis à oração. Não mais parei de escrever...



Percebi, nesse momento, que eu também tinha uma batalha a travar porque não queria que os meus filhos viessem a viver nesse "wild world". O campo dessa minha batalha passa pelo Afeganistão e pelo Iraque, mas passa também por Londres e por Washington, por Madrid e por Lisboa. Abraça todo o mundo, porque os meus inimigos estão em todo o lado.



A estupidez e a intolerância, a incompreensão e a soberba, o racismo e a arrogância. Os meus inimigos são perigosos e poderosos e têm ramificações por todo o lado. Estão nas montanhas do Afeganistão e no Pentágono, no deserto iraquiano e em Downing Street, na Casa Branca e na Rua Viriato.



Aqueles a quem JMF se refere quando diz "os Estados Unidos e o Reino Unido", escolheram o seu caminho e a sua batalha. Tal como a Al-Qaeda escolheu o seu caminho e a sua batalha. Mas esses não são os meus caminhos nem as minhas batalhas e, por isso, a batalha deles não diz respeito a todos.



O diálogo intercultural (cá estou eu a meter a minha colherada!) não é coisa fácil. É um caminho pedregoso e uma batalha longa e difí­cil. Mas tem uma grande vantagem, JMF: nesta batalha não há "nós ou eles"; na minha batalha é "nós e eles"!



Um dia destes vou ser pai e, daqui a alguns anos, vou entregar um caderno ao meu filho. Na capa vai continuar a inscrição «welcome to the wild world», mas as folhas vão estar cheias de palavras escritas à mão. Espero que, depois de as ler, o meu filho perceba que o mundo só continuará selvagem se nós não estivermos dispostos a participar no esforço de construção da Paz.



E esse esforço, JMF, não se faz com exércitos e milhões de dólares em bombas e mí­sseis. Faz-se, antes de mais nada, continuando a lutar por um modelo civilizacional assente no respeito pela lei (igual para todos) e pelos direitos dos indivíduos (e das culturas) e que tem como expressão de governo a democracia liberal (legitimada pelo povo em vez de imposta pela força de uma potência estrangeira).

Autoria e outros dados (tags, etc)





Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES