Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Novembro 27, 2011

O meu fado

Miguel Marujo

Para um miúdo de Aveiro, a canção de Lisboa era coisa longínqua, de uma Amália arrastada em coliseus e noites frias de galas cinzentas do fado. Felizmente a pop resgatou-me o fado: Mler Ife Dada, Os Dias da Madredeus, Anamar (e outros, vários outros). Depois foram os clássicos que se deram à descoberta e o fado novo ao enamoramento. O fado é de todos desde hoje. A notícia oficializou o que já sabíamos e que até os miúdos de Aveiro puderam descobrir sem ir à Bica ou à Mouraria.

 

[foto: A Naifa]

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.