Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    26.01.11

    Carlos, sabes bem que critico e muito os cortes que foram feitos aos funcionários públicos, que se sentiram aliás - e bem - lá em casa, e que acho que os funcionários públicos são o bode expiatório fácil de uma certa classe dirigente - política, empresarial, corporativa - deste país. Mas o que contesto é o argumentário dos magistrados, que sendo os mais privilegiados dos funcionários públicos (e que se arvoram, quando lhes dá jeito, de serem orgão de soberania, apesar de terem sindicato), não pedem o fim dos cortes cegos, mas sim o alargamento da iniquidade, que eles contestam. No princípio da igualdade, pedi para mim, mero "privado", alguns dos seus privilégios. O post é todo ele irónico, claro. Mas a avaliar pelas reacções - não a tua, registo e destrinço -, de facto incomoda e muito gozar a magistratura neste país.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    26.01.11

    Apesar de tudo o que ficou dito, continua a insistir na falsidade.
    Em vez de se ir à fonte (dá muito trabalho ler o parecer, acompanhar aquilo que se diz), é muito mais fácil acreditar numa notícia truncada e com um título falso.
    Enfim... é só mais um sinal dos tempos (e de como funciona uma redacção - como têm alertado alguns, embora sempre votados ao insucesso por ninguém, em Portugal, poder criticar quem mais critica...).
  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    26.01.11

    A notícia não e' truncada e esta' bem feita. Os senhores juízes não gostam que lhes seja descoberta a carapaça e andam pelos blogues a escrever anonimamente. Ah, a coragem e frontalidade!
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    27.01.11

    Mas afinal quem anda a confundir? Não fala a notícia de juízes, pelo que não percebo qual é essa pressa em lá os colocar.
    Ou a sua sapiência não lhe permite a distinção?
  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    27.01.11

    Diz a notícia a abrir: «Catedrático de Direito fez parecer para magistrados em que diz que medidas do OE são ilegais porque não incluem sector privado. Ou todos contribuem para o défice ou o esforço exigido apenas aos funcionários da administração pública é inconstitucional por violação dos princípios da igualdade e da justiça. Esta é, em síntese, a posição de Paulo Otero, professor catedrático na Faculdade de Direito de Lisboa, que elaborou um parecer para o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP).»

    Ora, magistrado é o quê? Um trolha?! Aprenda a ler e depois venha mandar postas de pescada.
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    27.01.11

    Uma vez que a ignorância grassa por aqui, permita-me só dizer que os magistrados do Ministério Público não são juízes.
    Como vê, aprender a ler não chega...
  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    27.01.11

    o anónimo ignorante insiste sem saber ler...
    Aprenda:
    «Catedrático de Direito fez parecer para magistrados em que diz que medidas do OE são ilegais porque não incluem sector privado»
    - os magistrados, no caso, são os do Ministério Público, porque se organizam em sindicato; mas o parecer é feito sobre todos os magistrados; todos os magistrados inclui juízes. Não perceber isto é ser-se ignorante. Mas infelizmente já percebi que há muitos no reino da justiça. Como se constata pelo anónimo recalcitrante.
  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    27.01.11

    O juiz (do latim iudex, "juiz", "aquele que julga", de ius, "direito", "lei", e dicere, "dizer") é um cidadão investido de autoridade pública com o poder para exercer a atividade jurisdicional, julgando os conflitos de interesse que são submetidas à sua apreciação. O juiz é o membro da magistratura.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.