Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cibertúlia

Dúvidas, inquietações, provocações, amores, afectos e risos.

Dezembro 30, 2010

Diz-se

Miguel Marujo

Alegre saiu triste do debate. É um facto. Calou-se e calou o que não devia. Mas quem sai triste é o país, com Cavaco de novo por lá. Mas é bom que ele fique: para Portugal ver quem é também responsável pelo estado a que isto chegou. O país alimentado no crédito e nos fundos perdidos que hoje se perde no défice e no desemprego. Também por isto, é obsceno ouvir de Cavaco dizer-se preocupado com o desemprego ou defensor do estado social.

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    30.12.10

    Mr. Brown, não deve ter vivido certamente no país de 1985-1995, em que Cavaco apostava nas auto-estradas (hoje vilipendiadas pelo PSD e Cavaco) e matava o caminho-de-ferro, em que os fundos europeus que jorravam todos os dias para jipes e campos de monoculturas que mataram a agricultura, a pesca que ficou atolada nos portos desmantelados, no ensino superior que passou a ser dependente de propinas criadas e alimentadas por Cavaco-Ferreira Leite, desresponsabilizando e desobrigando o Estado, do ensino pré-escolar que era inexistente, nos episódios caricatos e tristes do "feriado" de Carnaval, das portagens na ponte, das bastonadas nos estudantes, dos polícias secos e molhados, do bolo-rei. No fundo, dez anos perdidos - porque nunca entrou tanto dinheiro no país e o país manteve o atraso atávico no essencial: a educação e a formação e a investigação (ligeiramente recuperado, veja lá, no consulado de Sócrate).

    O Estado social cavaquista é anedota brownística. Por mim, dispenso propaganda. Falo de factos.
  • Imagem de perfil

    Mr. Brown

    30.12.10

    Factos? Vamos a alguns, então:
    1. Auto-estradas. Todas as que Cavaco fez tinham maior justificação económica que aquelas que foram feitas no pós-Cavaco. A primeira auto-estrada Lisboa-Porto é defensável. A segunda já será menos. A terceira não tem defesa possível.
    2. Fundos europeus. i) Guterres, contrariamente ao que reza a história, foi quem mais beneficiou deles. ii) durante o tempo de Cavaco existiram falcatruas relativamente aos mesmos? Certamente. O ponto é que isso era impossível, fosse qual fosse o governo, de evitar.
    3. Ensino superior. Foi com Cavaco que o acesso de estudantes ao mesmo disparou. Ficou dependente de propinas? Mesmo assim ainda está barato face àquilo que é o ganho médio de cada estudante que o frequenta (se quiser linko-lhe os estudos).
    4. Despesas sociais, em nenhum período da nossa história cresceram tanto: http://fotos.sapo.pt/oscomediantes/fotos/?uid=r9Zzf6r6WiUGSymmIfGZ
    Desemprego, nos últimos cinquenta anos, em nenhum período da nossa história conseguimos um fosso tão grande entre a nossa realidade (positiva) e a dos países que nos são mais próximos: http://fotos.sapo.pt/oscomediantes/fotos/?uid=9lOwk8ZrrBVHG5Ib60s3
    O que quer mais, quer que lhe dê mais números? Do crescimento económico e coisa e tal, ou quer que debite retórica? É que há diferenças fundamentais entre a retórica e a realidade. E recordo-lhe que só coloco em causa que não tenha sido Cavaco o principal responsável pelo estado social que agora tantos à esquerda defendem com unhas e dentes e, veja lá, Sócrates está a destruir.

    "O Estado social cavaquista é anedota brownística."

    Eu aqui não lhe levo a mal. Mas vá dizer isso aos meus avós. Eles, verdadeiramente pobres durante quase toda a sua vida, que foram dos que mais beneficiaram com o estado social de Cavaco, vá-lhes explicar que o Estado social cavaquista é uma anedota.
  • Imagem de perfil

    Miguel Marujo

    30.12.10

    essa das auto-estradas é boa, é. esqueceu-se da Via do Infante, da A5, da A2, da CREL... esqueceu-se dos comboios; mais: não há nenhuma terceira AE Lisboa-Porto: ninguém faria aquele caminho que o PSD inventou de Lisboa ao Porto; e percebe-se a guerra de Rangel, por exemplo, à segunda AE: quando vem do Porto a Lisboa vem de avião...

    quer estado social? as reformas dos meus pais são anedota cavaquista, são. eles agradecem penhoradamente ao senhor. tanto que se benzem e se afastam vade retro.

    desemprego? claro: cavaco inventou o recibo verde, a precariedade dos jovens, o emprego encapotado.

    estatísticas "adaptadas" são boas, são; o senhor Aníbal também poupa nos outdoors.
  • Imagem de perfil

    Mr. Brown

    30.12.10

    "ninguém faria aquele caminho que o PSD inventou de Lisboa ao Porto"
    Isso não interessa, caro Miguel. A terceira AE Lisboa-Porto é uma alusão ao facto de alguém achar defensável que naquela mesma faixa litoral entre Lisboa e Porto, separadas por poucos quilómetros de distância, justifiquem-se três auto-estradas.

    "as reformas dos meus pais são anedota cavaquista, são."
    Se as de Cavaco são anedota, aquelas com que Sócrates nos vai deixar são o quê?

    "desemprego? claro: cavaco inventou o recibo verde, a precariedade dos jovens, o emprego encapotado."
    Cavaco fez isso tudo e, ainda assim, ficamos com o mercado de trabalho mais inflexível da Europa? Deve estar a remeter-me, novamente, para o campo dos factos, presumo? Mais, nesse aspecto dou muito mérito a Mário Soares, que instituiu o contrato a prazo e acabou com algumas das loucuras de Abril.

    Abraço.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.