Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sete anos, repito-me

por Miguel Marujo, em 30.12.14

O Olímpio encontrava o justo espaço para a palavra na página, o Alberto traçava a linha certa para ocupar o lugar. Aos amigos dos dois, resta-nos a memória das suas palavras e linhas. A mim faltam as palavras e as linhas para dizer adeus. Sem dizer adeus.

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O fim da Troika. Não estamos melhor, mas com estes 3 anos ficámos mais exigentes com quem manda e mente. E agora sabemos que nem tudo o que vem de fora é bom." - em menos de 150 caracteres pediram-me uma coisa que tivesse melhorado as nossas vidas. Fui à política porque ela comanda a nossa vida. E esta resposta foi a possível. Outros balanços ficarão para mais tarde.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por Miguel Marujo, em 19.12.14

GraceKelly05.jpgDa graça: mais de um milhão de páginas visitadas em dez anos de blogue pessoal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como erraram num, já preparam a sucessora

por Miguel Marujo, em 19.12.14

PPC-MLA.JPG

 

Tomem nota nesta prosa do historiador do regime: «As velhas lideranças falharam e perderam alguns dos meios com que controlavam o país. Há lugar para novos protagonistas. E esta semana, Maria Luís Albuquerque deixou o aviso: pode não se ir embora.»

E agora recuem a 2009-2011, leiam os mesmos blogues, os comentadores-militantes de ontem e hoje e os mesmos ruis ramos desta vida. Nem mais: aqueles que agora empurram Maria Luís para a liderança do PSD, são exatamente os mesmos que levaram ao colo Pedro Passos Coelho nos meios de comunicação social até este chegar a presidente laranja, primeiro, e primeiro-ministro depois.

Apesar de manterem o elogio cego numa governação que espelha o mais absoluto autismo perante a realidade, os senhores que dominam a opinião publicada em Portugal (num desequilíbrio direitista que não é de agora, apesar de também eles apregoarem o perigo esquerdalha nas redações portuguesas), eles sabem que Passos falhou em toda a linha porque não soube convencer os portugueses de que vivem melhor do que quando da suposta bancarrota de 2011: a pobreza aumentou, o desemprego é imenso (e disfarçado com estatísticas que limpam os números), o défice não desce e a dívida não para de crescer. E perante a evidência que a austeridade não funcionou, a rapaziada ensaia uma fuga em frente com um novo nome para a sua obsessão neoliberal de reduzir o Estado a uma sopa dos pobres e alimentar os negócios privatizados para amigos tecnofórmicos e capitais de duvidosa reputação (mas o problema eram os magallanes para o Chávez).

Maria Luís é a dama de ferro (que «gosta de política», que «tem uma atitude distintiva», que «não vê drama nenhum em estar à direita», que «é relativamente jovem») com que sonham para rematar o seu programa, mesmo que para isso matem o protagonista que eles alimentaram em anteriores "compromissos Portugal". Mas voltem a 2009-2011: Passos Coelho era isto tudo, gostava de política, distinto, sem problemas em se afirmar liberal, relativamente jovem. Mas, hoje, Pedro já era, a ministra das Finanças é a senhora que querem (a) seguir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

não cairá até se aperceber do seu erro

por Miguel Marujo, em 17.12.14

FÍSICA DOS DESENHOS ANIMADOS

As crianças com menos de, digamos, dez anos não deveriam
saber que o universo está em constante expansão,
a avançar inexoravelmente pelo vácuo adentro, galáxias

engolidas por galáxias, sistemas

solares inteiros a desfazerem-se, tudo
a desenrolar-se em silêncio. Aos dez anos estamos ainda a aprender

as regras dos filmes de animação,

que se um homem desenhar uma porta numa rocha
só ele poderá passar por ela.
Qualquer outra pessoa que tente

irá estatelar-se contra a rocha. Os miúdos de dez anos
deveriam cingir-se às casas em chamas, aos choques entre carros,
aos navios que se afundam – desastres prosaicos,

tangíveis, cenas

em que podem ser heróis. É possível regressar
a correr a uma casa em chamas, os navios que se afundam

têm barcos salva-vidas, os carros dos bombeiros aparecem
com as suas escadas, se saltarmos
seremos salvos. Uma criança

põe a mão no tejadilho de um autocarro escolar
& atravessa uma cidade de areia. Ela sabe

o ponto exacto em que ele irá derrapar, em que sítio
uma ponte irá ceder, quem se porá a salvo
& quem será puxado para o fundo pelos tubarões. Ela aprenderá

que se um homem correr para lá da beira de um penhasco
não cairá

até se aperceber do seu erro.

Nick Flynn
(tradução de Vasco Gato, lido no facebook da Raquel Marinho)

Autoria e outros dados (tags, etc)

com (o) tempo

por Miguel Marujo, em 16.12.14

comotempo-2_0.jpgse não regarmos...

Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso, Com o tempo

Autoria e outros dados (tags, etc)

perder a cabeça

por Miguel Marujo, em 15.12.14

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vítor Bento não é caso único no Banco de Portugal (BdP) de um trabalhador que exerceu funções na administração de um banco comercial. José de Matos e Ana Cristina Leal, dois funcionários do banco central, estão em regime de licença sem retribuição na administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Segundo o Banco de Portugal, em setembro passado estavam “52 trabalhadores dos quadros com o contrato de trabalho suspenso por motivo de licença sem retribuição concedida para efeito de exercício de funções” no Banco Central Europeu (40 trabalhadores), na Autoridade Bancária Europeia (4) no FMI (1) e, sem especificar, “outras entidades nacionais e estrangeiras” (7).

A Lei Orgânica do BdP impede a acumulação dos cargos, mas com a licença sem vencimento a incompatibilidade é contornada. Quando acabarem o mandato, em 2015, José de Matos e Ana Cristina Leal podem regressar ao supervisor, retomando o seu vínculo laboral – afinal, nunca perderam a ligação ao regulador.

Segundo o BdP, a licença sem vencimento interrompe o vínculo laboral, o que explica que não há impedimento em assumir funções nas administrações de bancos comerciais ou outras instituições, que a Lei Orgânica do BdP proíbe. “Salvo quando em representação do Banco ou dos seus trabalhadores, é vedado aos membros do conselho de administração e aos demais trabalhadores fazer parte dos corpos sociais de outra instituição de crédito, sociedade financeira ou qualquer outra entidade sujeita à supervisão do Banco ou nestas exercer quaisquer funções”, lê-se no artigo 61.º da lei, o que impediria Vítor Bento ou José de Matos e Ana Cristina Leal de exercerem funções no BES/Novo Banco e na CGD.

Vítor Bento pediu a reforma, que lhe foi dada pela administração de Carlos Costa, mas depois não assinou os papéis para a reforma, como já noticiou o DN. Mas o BdP não controlou o facto de aceitar a nomeação de Bento para presidente do BES/Novo Banco, sem cuidar de saber se já tinha assinado os papéis. O banco central acrescenta que o economista solicitou “a prorrogação da sua licença sem retribuição até à data da sua passagem à reforma, o que foi autorizado”, sem “necessidade” de apresentar “novo pedido, tendo a licença concedida produzido efeitos até ao dia imediatamente anterior ao [seu] regresso”.

Sobre o seu percurso, o consultor da administração responde uma primeira vez ao DN que “NADA” (assim em maiúsculas), no seu caso, “é original”: “Há atualmente e houve ao longo dos anos, vários casos semelhantes.” E reiterou depois: “Estou a ser vítima de uma perseguição pessoal, como é fácil de ver pela sucessão de ‘ notícias’ que me visaram nos últimos dias. E nem percebo sequer qual é o ponto que quer fazer para além do ataque pessoal.”

Os dois administradores da CGD (que o DN questionou através do gabinete de comunicação da Caixa, sem resposta) saíram do banco central em 2011, no caso do então vice-governador, José de Matos, e em 2013, no caso de Ana Cristina Leal, muito longe dos 20 anos que esteve fora Vítor Bento – saiu em 1994, voltou agora em outubro.

O suposto contrato de Bento é explicado pelo BdP ao DN. “A lei orgânica estabelece efetivamente um regime de incompatibilidades para os seus trabalhadores e membros do Conselho de Administração. Todavia, conforme estabelecido no Código do Trabalho e nas convenções coletivas de trabalho aplicáveis, a licença sem retribuição suspende o vínculo laboral e, assim, todos os direitos, deveres e garantias das partes que pressuponham a efetiva prestação de trabalho, como é o caso.”

É esta distinção que leva a administração de Costa a defender que “assim confirma-se que não houve uma situação de facto incompatível dado que o dr. Vítor Bento não se encontrava em efetivo exercício de funções para o Banco quando exerceu funções no conselho de administração do BES/Novo Banco”.

Leituras diferentes em 2008 e 2014

Esta resposta de outubro de 2014 teve leitura diferente em 2008. Então perante um pedido do economista, o BdP procedeu ao seu “reajustamento profissional” na “carreira interna do Banco”, como se lê no comunicado da administração de maio de 2008. “Foi deliberado proceder ao reajustamento profissional do senhor dr. Vítor Bento na carreira interna do Banco, embora garantindo que dessa decisão não decorreriam quaisquer encargos adicionais quer para o Banco quer para o seu Fundo de Pensões.”

Agora, diz fonte oficial do BdP, “o período em que o dr. Vítor Bento esteve de licença sem retribuição contará para efeitos de reforma”, segundo o Acordo Coletivo de Trabalho do setor e o Acordo de Empresa, que “determinam que o tempo de licença é contado para efeitos de antiguidade, salvo no caso de acordo em contrário para efeitos de reforma”.

Este acordo entre as duas partes, prevendo a contagem do tempo, foi estabelecido com uma condição: o “pagamento por parte do dr. Vítor Bento da totalidade das contribuições para o Fundo de Pensões (quer a parte respeitante ao trabalhador, quer a parte respeitante ao empregador)”.

Argumentava a administração que o “reajustamento profissional anterior ao seu regresso ao Banco determinou um decréscimo de custos para o Banco de Portugal” e que o custo daquele reajustamento “foi suportado pelo dr. Vítor Bento no período de licença”. Ou seja: confrontado com o facto de uma possível incompatibilidade de funções, por ter presidido ao BES/Novo Banco, o BdP justifica-se com a suspensão do vínculo laboral, de “todos os direitos, deveres e garantias das partes”, mas em 2008 esse facto não impediu a instituição de rever a sua carreira, não esperando que Bento regressasse à efetividade de funções no BdP. Ao DN, fonte do banco notou que se trata de um processo de outra administração. Não é possível acrescentar mais nada ao que foi dito em 2008. E Vítor Bento também não disse agora mais.

[publicado no DN, a 2 de dezembro]

Autoria e outros dados (tags, etc)




Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES





    Sitemeter