Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Isto é só o começo

por Miguel Marujo, em 28.11.14

«1. Sem o menor pudor, o primeiro-ministro explorou politicamente a seu favor a prisão de José Sócrates. Porque associou o seu caso a enriquecimento ilícito. Pode ter parecido elegante, mas foi muito pouco. À medida que as legislativas se forem aproximando, a elegância tenderá a perder-se. Só recuará se o “caso Sócrates” – ou outro qualquer – atingir o PSD.

2. O que irá acontecer a seguir é isto: o PSD tentará por todos os meios passar a mensagem de que votar no PS é votar em quem governa usando os estratagemas de que Sócrates é suspeito. Será muito difícil então António Costa manter-se “trancado” na posição que definiu (não falar do ex-primeiro-ministro e deixar a Justiça trabalhar sem a atacar). É isto que Passos Coelho quer: tirar Costa das cordas e forçá-lo a defender Sócrates – para depois dizer que vem aí mais do mesmo.

3. Passos Coelho voltou ontem a provar que desconhece a existência de uma lei chamada Constituição da República. A criação do crime de enriquecimento ilícito já foi tentada. E, depois de um pedido feito pelo Presidente da República, o Tribunal Constitucional chumbou a lei por unanimidade.

4. Unanimidade porquê? Porque nada há mais inconstitucional do que inverter o ónus da prova (obrigar os suspeitos a provarem que são inocentes em vez de ser a acusação a provar que são culpados). Atinge de frente um princípio basilar de um Estado de direito, o da presunção da inocência. E abre a porta para todos os tipos de arbitrariedades.

5. Passos desconhece ainda outra coisa: não há nada pior para o combate à corrupção do que a criminalização do enriquecimento ilícito. No dia em que for possível condenar um corrupto só porque ele não explica uma fortuna feita a aceitar luvas, deixará então de ser necessário procurar quem as pagou. A corrupção passiva (receber luvas) será punida; a ativa (pagar as luvas) deixa de o ser.» [João Pedro Henriques, hoje, no DN]

Autoria e outros dados (tags, etc)

da importância das referências

por Miguel Marujo, em 25.11.14

Sócrates.jpg
Sócrates
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

[inspetores]

por Miguel Marujo, em 19.11.14

gary-larson-1984-far-side-anthropol.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sentir um bloqueio no dia em que veio a Liberdade

por Miguel Marujo, em 17.11.14

 

Há quem comece a sua leitura do jornal pelo fim - vai à última página e regressa até ao princípio. Neste livro, Viver pela Liberdade, biografia de “grandes momentos da História pelos olhos de uma das mais marcantes jornalistas portuguesas”, também se pode fazer isso: ir às páginas finais, aquelas que recuperam as reportagens de Maria Antónia Palla, jornalista, 81 anos, que tantos anos depois (foram escritas entre 1970 e 1979), parecem coladas aos dias de hoje. Em agosto de 1974, as mulheres da Sogantal, uma fábrica têxtil no Montijo, lutavam por um salário digno e melhores condições de trabalho. Abril já ia no seu quarto mês de revolução, mas o patrão (era assim que se escrevia) francês dizia que pagava “sempre o que a lei portuguesa obrigava” e recusava-se a atender às reivindicações das mulheres. Não era só de direitos laborais que se falava nestas páginas escritas com rigor e elegância. Era dos direitos das mulheres.

Neste livro faltam as palavras da reportagem que fez de Maria Antónia Palla um nome maior do jornalismo português - sobre o aborto, que passou na RTP em horário nobre. Em fevereiro de 1976, a liberdade atrapalhava-se com uma reportagem militante: Aborto não É Um Crime. Em tempos de canal (quase) único, a reportagem valeu a suspensão do programa e o julgamento em junho de 1979. Saiu absolvida, em nome da liberdade de expressão.

É a Liberdade, assim com maiúscula, como se escreve nas 268 páginas deste livro escrito por Patrícia Reis, num registo que mistura a (auto)biografia e a reportagem. A Liberdade que sempre procurou e que a fez bloquear no seu dia maior: 25 de Abril de 1974. “Era a primeira vez que escrevia em Liberdade. ‘Sentia um bloqueio imenso’”, confessa. Essa liberdade construiu-a desde miúda, entre as margens do Tejo, na casa dos avós da Margem Sul, por oposição à ordem da casa dos avós maternos. Mesmo que não dissesse mais, percebe-se onde se sentia melhor, livre. Casou-se nova, de vermelho, mas “recusou ir pendurada no braço do pai”. Questionou-se sobre Deus - prevalecia a educação dos avós paternos, em cuja casa “não existiam imagens de santos”. Como não a satisfaziam os empregos que procurou, para garantir a sua liberdade (“se não tiveres o teu dinheiro, nunca serás livre”, dizia a avó), “sentia-se a viver num aquário”. Desde que não lhe tirassem o passaporte. Privou com a elite cultural de uma época (Júlio Pomar, Augusto Abelaira, António José Saraiva). Perdeu uma filha, a primeira, e acarinhou muito o segundo, António Costa. Foi uma das três primeiras mulheres a entrar numa redação portuguesa. “Talvez elas não saibam ainda exatamente o que querem. Mas sabem, seguramente, o que não desejam. O importante é que elas entendam porque se vencem e porque se perdem as batalhas”, rematava Maria Antónia sobre as operárias do Montijo.

[texto publicado na edição de sábado do Diário de Notícias]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dizer tanto

por Miguel Marujo, em 12.11.14

Há quem diga adeus do outro lado do muro ou apenas olhe - e logo vem um soldado tentar tapar a vista, como se apenas dizer adeus ou ver fosse crime. Há Willy Brandt a clamar e, mesmo sem o perceber, será da liberdade que ali se grita - e naqueles adeuses e olhares se perdeu. Dizer e ver isto, com aquela música, naquele contexto de libertação, é ter a certeza que há um bem maior de que nunca podemos abdicar, sob desculpa alguma: a liberdade.

 

 

[O vídeo encontrei-o numa partilha da Helena, que explica mais e melhor do que eu.]
«Poucas horas depois da abertura do muro, Daniel Barenboim convidou os cidadãos da RDA para um concerto gratuito na Filarmonia, que teve lugar no dia 12 de Novembro. A sala encheu-se de gente e de tudo para lá de todos os limites.

Este vídeo junta imagens de arquivo da história do muro a imagens desse concerto. E não sei o que me comove mais: se as pessoas a acenar para além do muro, se as lágrimas desses valentes que tiveram a coragem de se erguer contra um regime totalitário.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

O teu canto mesmo em silêncio fala tanto

por Miguel Marujo, em 11.11.14

Vazio.jpg

ilustração de Catarina Sobral, Vazio

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sobretaxa para a Merkel

por Miguel Marujo, em 10.11.14

Não vou arrastar a voz sobre taxas e taxinhas, mas por esse mundo fora desembolsamos mil e uma taxinhas enquanto turistas (em NY pagam-se várias para o estado, para a cidade e para o periquito; em HK, paga-se no aeroporto para sair da cidade), que ainda não percebi o clamor piresdelimaniano contra cobrar 1 euro a um alemão ou italiano ou americano qualquer... Antes isso que o governo malhar nos costados dos portugueses com sobretaxas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

not another brick in the wall

por Miguel Marujo, em 09.11.14

Berlin.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




Seguir

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D


Links

KO! [EM DESTAQUE]

  •  
  • OS QUE LINKAM A...

  •  
  • MUITO CÁ DE TODOS OS DIAS

  •  
  • CÁ DA CASA TUDO PARADO

  •  
  • MUITO CÁ DO PRÉDIO

  •  
  • MUITO CÁ DO BAIRRO

  •  
  • ESPECIALISTAS [CINEMÚSICA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [COMUNICAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [ESCRITA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HISTÓRIA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [FOTOGRAFIA+ILUSTRAÇÃO]

  •  
  • ESPECIALISTAS [IGREJA]

  •  
  • ESPECIALISTAS [HUMOR]

  •  
  • ESPECIALISTAS [SABERES]

  •  
  • PARA DESCOBRIR

  •  
  • FORA DOS BLOGUES





    Sitemeter